Páginas

Seguidores

Marcadores

Amigas (9) Blogando... (3) Brasil (4) Cidade (1) Citaçáo (1) DVDs (1) Enquete (1) Família (4) Felipe (2) Férias (1) Festas (4) Filhos (13) Filme (3) Filmes (2) Filosofando (10) Livros (27) Mãe (8) Mulher (7) Música (5) Pai (5) Pausa... (1) Pedro (20) Pensamento (2) Pensando... (21) Piada (2) Poesia (2) Política (9) Refletindo... (40) Tina (1) Viagem (11) Vovó (4)

domingo, 28 de junho de 2009

Comprei duas jóias!

São verdadeiras jóias, que quando não as estiver "usando", vou trancá-las no cofre!
"CUBA-OMARA&BAHIA-BETHÂNIA". A caixa é um luxo, e o conteúdo é um tesouro: um livro e um dvd. Uma união mais que perfeita. União de duas cantoras fabulosas e de dois países (...), Brasil e Cuba.
No livro, além de fotos emocionates, depara-se com textos de uma beleza indescritível. Lya Luft, Mônica Waldvogel e Nélida Piñon se superam. Ainda tem a contra capa com Ferreira Gullar, além de outras feras.
"Caía uma chuva formidável sobre a estrada que margeia o litoral...". Mônica
"O enredo de Bethânia repete a trajetória comum a todos nós. Deixa a casa, família, mas sem desatar um único laço." Nélida
"Tem também sua face profunda essa mulher que canta: uma mudança de tom de voz, numa batida diferente, num sussurro ou num grito, M. Bethânia parteja o ser humano com sua danação e glória...". Lya
O dvd me fez chorar, e fará muitas outras vezes. Chôro de emoção forte, chôro que lava e purifica o coração.
Estou ofuscada pelas minhas jóias, e enquanto a Seleção Brasileira inicia perdendo por 2 gols, neste domingo lindo e ensolarado, vou "usá-las" na outra sala...

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Resposta à "enquete" da Pati

Pensei, pensei e pensei....e elegi 3, por enquanto!!!! "Cinco coisas que gostaria de ser, não sou, mas arrisco!"

A palavra arriscar é que pegou, mas vamos lá:

1- Em primeiríssimo lugar, ser cantora!!!!!! Juro que arrisco, mas "como não pego o tom", continuo arriscando, e no segundo semestre, arriscarei um curso de canto, pode?????

2- Reger uma orquestra!!! Arrisco na imaginação, mas quem sabe algo sobre o amanhã da Sonica?

3- "Sair pedalando pela vida com o meu amor...", já arrisquei, ainda não consegui, mas...


quinta-feira, 18 de junho de 2009

"O show do eu- a intimidade como espetáculo" Parte II

Fiquei 3 meses com esse livro pra lá e prá cá, e com mais alguns fluindo bem. E muitas vezes o deixei bem mais pra lá!!!! Além de inquietações, ele provocou muito vai-e-vem, pois quando retomava à leitura, necessitava voltar aos capítulos anteriores.

Na primeira página, encontra-se uma inquietação de Nitzsche: "Como alguém se torna o que é?" Isso em 1888, e em 2008, Paula Sibilia questiona:" Será que estamos sofrendo um surto de megalomania consentida e até mesmo estimulada??...ou de uma explosão de produtividade e criação?...Qual a relação deste eu e deste você, tão venerados hoje em dia, com aquele alguém de Nietzsche?"


A autora vai relatando muito bem sobre todo esse tsunâmi de inovações tecnológicas, essas ferramentas on-line que se modificam como num passe de mágica, e mostra como essas que provocam confissões, dispararam e seduziram milhões de usuários pelo mundo.


O blog é um diário íntimo, só que publicado pela Internet, e o principal objetivo consiste em conquistar visibilidade, senão perde o sentido. Faz similaridade com os fenômenos contemporâneos que escancaram vidas privadas: reality shows, revistas de celebridades, talk shows, you tube, my space, orkut, biografias, etc. O anonimato parece estar completamente indesejável, e a "mera possibilidade de passar despercebido pode se converter no maior dos pesadelos".


"Cada vez mais é preciso aparecer para ser. Pois tudo aquilo que permanecer oculto, fora do campo da visibilidade, seja dentro de si, trancado no lar ou no interior do próprio quarto, corre o triste risco de não ser interceptado por olho algum..."

"Agora se trata de você, eu e todos nós. E quem disse que o fato de termos sido eleitos as personalidades do momento não possa ser, apesar de tudo, uma boa notícia? Tudo irá depender, provavelmente, do que resolveremos fazer com isso."
Será 'instigante" a palavra correta?


terça-feira, 16 de junho de 2009

"O show do eu"

Há 3 meses deparei-me com uma promoção em uma revista que assino, que consistia em opinar sobre blog ("coisa" que nem passava pela minha cabeça!); o prêmio seria um livro, "O show do eu - a intimidade como espetáculo", de Paula Sibilia.

Eu estava tentando entender que universo era esse, achei muito interessante o título do livro, e resolvi participar.

Fiz um paralelo entre o diário que escrevi há mil anos, na adolescência, e o blog que minha filha estava iniciando.

O meu diário era secretíssimo (doce ilusão!), escondido no fundo de uma gaveta, e nele estavam guardados meus sonhos e desejos mais íntimos! Não o havia apresentado nem a minha melhor amiga!

De repente, a desilusão: desconfiei que minha mãe o havia encontrado, e pior, o havia lido! Não tive dúvida, comecei a escrever em códigos, para que ela não pudesse satisfazer sua (trágica) curiosidade irritante; e o cômico da história, foi que, depois de um tempo, eu não decifrava mais todos eles!

Mas reconheci uma vitória íntima, calada: nunca o assunto veio à tona, mas confirmei que ela o tinha lido e que depois de um tempo, desistiu, também calada, porque não captava mais nada. Inventei alguns"truques" para descobrir a intromissão: deixava "meu querido diário" de ponta-cabeça, de lado, com a primeira página dobrada, e quando o encontrava de outro jeito...bingo! Dá-lhe novos códigos, e muito riso contido! Até que um dia, a tormenta passou, veio a bonança, e continuei escrevendo com a alma serena...

Sobre o blog, eu estava engatinhando nas minhas suposições: não seria uma exposição exagerada, quais seriam as consequências, quem partilharia com esse íntimo não (tão) mais secreto??? E foram com essas reflexões que, para minha agradável surpresa, fui uma das dez ganhadoras da promoção!


Amanhã eu coloco o segundo capítulo desse instigante "show do eu"!

domingo, 7 de junho de 2009

Veneza

Ontem passei algumas horas deliciosas escolhendo fotos e terminando o álbum da última viagem. Revivi os lugares, senti o cheiro e o sabor de vários dias.
Nesta viagem, visitei Veneza pela segunda vez. Havia conhecido essa cidade há exatos 10 anos!
Gostei e aproveitei mais ainda!
O tempo que tínhamos encomendado, estava lá nos aguardando, perfeito! Clima ameno, o azul do céu e o verde das águas ofuscaram nossos olhos, e o calor do Sol, finalizou a última estrofe da poesia.
Cidade alegre, deliciosa, encantada! Nossa viagem foi de carro, de Viena à Veneza. Rodovia e paisagens singulares, o vaporetto, a chegada à cidade, o passeio de gôndola, justamente no momento em que o Sol iniciava a sua despedida do deslumbrante dia que havia iluminado..., o vinho que acompanhou o jantar pra lá de romântico...
Sim, esses cenas grudaram no meu coração, e vou poder acessá-las sempre que precisar.
Quando dei uma pausa nas recordações para ler o jornal, deparei-me com um texto do escritor, Orhan Pamuk, que definiu seu sentimento por Veneza assim:
"Quando sentimos por dentro a profundidade de uma visita veneziana, nos damos conta de que a felicidade é possível nesse mundo".
..."O que é que nos convida a beijar quando vemos um cenário bonito? Deve ser porque , por um instante, nos damos conta de quão belo é este mundo e de como a vida pode realmente ser bela."
Diante de tamanha inspiração, recordei que foi alí mesmo, na incomparável "Rainha do Adriático", a cidade mais romântica que conheço, que eu e o maridão nos beijamos muitooooooooo!

sábado, 6 de junho de 2009

Finitude e impotência

Diante de ocorrências "anormais", como suicídio e desastres de pequeno e grande porte, reflito (ainda mais) sobre a vida e a morte.
A finitude da vida, principalmente a inesperada, deixa um gosto de fel, e provoca dor, revolta, culpa, pavor, medo, angústia, tristeza e total impotência.
Último domingo de Maio. Uma jovem, um adulto, e mais 228 pessoas, saíram da vida inesperadamente, e assaltaram minha mente. A jovem ocupou espaço maior, por ter ligação familiar comigo; dediquei mais tempo a ela, confesso, mas por todos pedi muito a Deus; dividi indignção e perplexidade com amigos. Não conhecia ningúem do avião, mas me coloquei no lugar de passageira, dos familiares e amigos. Fiquei péssima.
Empurrei essa semana com muita dificuldade, introspecção e não tão feliz, até que duas amigas tornaram-se avós.
(Nascer e morrer. "Sempre há por quem sorrir e por quem chorar..."!) A felicidade das duas era tamanha, que o contágio foi fulminante.
Estou terminando a semana melhor, graças a Deus, e lembrando que "não devo levar a vida tão a sério, porque não vou sair viva dela!"
Continuo com minhas orações, reflexões, solidariedade, mas não com tristeza. Acredito que aprender a viver é isso: deparar com o inesperado e enfrentá-lo; aproveitar muito bem cada dia, sendo digno e ético; aprender e ensinar; ter esperança e fé em Deus; sonhar, realizar e seguir cantando:
" Viver... e não ter a vergonha de ser feliz!
Cantar e cantar e cantar
a beleza de ser um eterno aprendiz!
Ah! Meu Deus! Eu sei
Que a vida devia ser bem melhor ( e será!)
Mas isso não impede que eu repita:
É bonita, é bonita e é bonita!"

Livros, meu relax n. 1:2016,2015,2014,2013, 2012, 2011, 2010 , 2009

  • Vivências de um psicanalista
  • Um sentido para a vida
  • Sobre a amizade e outros diálogos
  • Segredos e atalhos do iPad - 2011
  • Quase tudo
  • Putz, virei minha mãe!
  • Purgatório
  • Psicanálise dos Milagres de Cristo - 2011
  • Poemas completos de Alberto Caieiro
  • Pense Magro
  • Pensar é transgredir
  • Os catadores de conchas
  • O show do eu
  • O mundo pós-aniversário
  • O monge e o executivo
  • O menino do pijama listrado
  • O livro das ignorãças
  • O livro da sabedoria
  • O estrangeiro
  • O caçador de pipas
  • O brincar e a realidade
  • No divã do Gikovate
  • Niketche - 2011
  • Nietzsche para estressados - 2011
  • Na presença do sentido
  • Millenium
  • Mentes Perigosas
  • Memórias das minhas putas tristes
  • Me larga!
  • Marley e eu
  • Mamãe, posso namorar pelado?
  • Mamãe e o sentido da vida - 2011
  • Longe daqui
  • Leite derramado
  • Ilha Deserta - Livros
  • Ilha Deserta - Filmes
  • Histórias das minhas putas tristes
  • Hamlet
  • Freud - Vol.XIV - 2011
  • Freud - Vol. XXIII
  • Freud - Vol. XXII - 2011
  • Freud - Vol. XXI
  • Freud - Vol. XVIII - 2011
  • Freud - Vol. XVII
  • Freud - Vol. XIX - 2011
  • Freud - Vol. XII
  • Freud - Vol. XI
  • Freud - Vol. VII
  • Freud - Vol. V - 2012
  • Freud - Vol. IX
  • Fora de mim - 2011
  • Família de alta perfomance
  • Fadas no divã, Diana L. Corso e Mario Corso
  • Fadas no divã
  • Eu sei que vou te amar
  • Enquanto o amor não vem
  • Doidas e santas
  • Divã
  • De frente para o Sol - 2011
  • Crime e castigo
  • Conversas sobre terapia
  • Contra um mundo melhor -2011
  • Comer,rezar,amar
  • Cartas a um jovem poeta
  • Caim
  • As pequenas memórias
  • As intermitências da morte
  • Amor é prosa, sexo é poesia
  • Alter Ego
  • Agape - 2011
  • Aforismos - 2011
  • A trama do equilibrio psiquico
  • A sabedoria dos mitos gregos - Aprender a Viver II - 2011
  • A sabedoria da vida
  • A idade dos milagres
  • A história de Edgard Sawtelle
  • A doçura do mundo - 2011
  • A cidade do sol
  • A Cabana
  • 2016-Verdades e Mentiras, Cortella, Dimenstein, Karnal e Pondé
  • 2016-Pressentimentos e suspeitas, Ivo Storniolo
  • 2016-O poder do discurso materno, Laura Gutman
  • 2016-O oitavo selo, Heloisa Seixas
  • 2016-O ano do pensamento mágico, Joan Didion
  • 2016-Mulheres de cinza, Mia Couto
  • 2016-Freud, obras completas, vol. 18
  • 2016-Felicidade ou Morte, Clovis de Barros Filho e Karnal
  • 2016-Enclausurado, Mc Ewan
  • 2016-Dias de abandono, Elena Ferrante
  • 2016-Depois a louca sou eu, Tati Bernardes
  • 2016-Como eu era antes de você, Jojo Moyes
  • 2016-Ah, que bom que eu sei, Brugitte Gross e Jakob Scheneider
  • 2016-A Peste, Albert Camus
  • 2016-A noite do meu bem, Ruy Castro
  • 2016-A felicidade é fácil , Edney Silvestre, Segunda Leitura
  • 2016-A árvore familiar, Denny Johnson
  • 2016-A alma imoral, Nilton Bonder
  • 2016- O livro dos insultos, H.L. Mencken
  • 2015-Tomar a vida nas próprias mãos , Gudrun Burkhard
  • 2015-Pimentas, Rubem Alves
  • 2015-Pequeno tratado das grandes virtudes - André Comte-Sponville
  • 2015-Pai rico pai pobre - Robert T. Kiyosaki
  • 2015-Os amigos, Hamlet L. Quintana
  • 2015-Onde foi que eu acertei? Francisco Daudt
  • 2015-O sol é para todos", Harper Lee
  • 2015-O que a vida me ensinou, Mario Cortella
  • 2015-O incolor Takurukami..., Haruki Murakami
  • 2015-O brilho do bronze, Boris Fausto
  • 2015-Numero Zero, Umberto Eco
  • 2015-Na berma de nenhuma estrada, Mia Couto
  • 2015-Interpretação e manejo na Clínica Wiicottiana, Ela O. Dias
  • 2015-Dom Quixote, Miguel de Cervantes
  • 2015-Diga aos lobos que estou em casa, Carol R. Brunt
  • 2015-Criaturas de um dia, Irvin Yalom
  • 2015-Como envelhecer, Anne Karpf
  • 2015-As pequenas virtudes, Natalia Ginzburg
  • 2015-A visita cruel do tempo, Jennifer Egan
  • 2015-A mágica da arrumação , Marie Kondo
  • 2015-A grande arrete de ser feliz, Rubem Alves
  • 2015-A filosofia de Rudolf Steiner e a crise dompensamento contemporâneo, Andrew Welburn
  • 2015- Pensar bem nos faz bem, M. S. Cortella
  • 2015- Nao nascemos prontos, M. S. Cortella
  • 2014-Uns cheios, outros em vão, Heloísa Seixas
  • 2014-Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra, Mia Couto
  • 2014-Totem e Tabu, S. Freud
  • 2014-Textos de Winnicott
  • 2014-Textos de Pichon Riviere
  • 2014-Textos de Grupos, uma visáo psicanalítica
  • 2014-Textos de Bion
  • 2014-O segredo do meu marido, L . Moriestay
  • 2014-O retrato de Dorian Gray, Oscar Wilde
  • 2014-O nome próprio, Francisco Martins
  • 2014-O fotógrafo, Cristóvão Tezza
  • 2014-Fim, Fernanda Torres
  • 2014-Ensaio sobre a mentira, José Outeiral
  • 2014-Do universo à jabuticaba, Rubem Alves
  • 2014-Conhece-te a ti mesmo, José Outeiral
  • 2014-Adultescer, J. Outeiral
  • 2014-A revolta do corpo, Alice Miller
  • 2014-A festa da insignificância, Milan Kundera
  • 2014-A Ciranda das Mulheres Sábias, Clarissa P. Estés
  • 2014-1Q84, Vol. IIIHaruki Murakami
  • 2013 - Voce já pensou em escrever um livro?
  • 2013 - Subliminar
  • 2013 - Sr. Psicólogo, diga-me como ser feliz
  • 2013 - Por que você é minha - I
  • 2013 - Por que você é minha - II
  • 2013 - Por favor, cuide da mamãe
  • 2013 - Os quatro vínculos
  • 2013 - O Rabino e o Psicanalista
  • 2013 - O psicanalista vai ao cinema
  • 2013 - O oceano no fim do caminho
  • 2013 - O fio das missangas
  • 2013 - Nu, de botas.
  • 2013 - Inferno
  • 2013 - Filosofando no Cinema
  • 2013 - Elogio da mentira
  • 2013 - A vida que vale a pena ser vivida
  • 2013 - A graça da coisa
  • 2013 - A arte de amar
  • 2013 - 1Q84 Vol. II
  • 2013 - 1Q84
  • 2012 - Se eu fechar meus olhos agora
  • 2012 - Rimas de Vida e de Morte
  • 2012 - Profissão: Bebê
  • 2012 - Os sentidos da vida
  • 2012 - O retorno do jovem príncipe
  • 2012 - O clube do filme
  • 2012 - O amor companheiro
  • 2012 - Mulher Desiludida
  • 2012 - Fragmentos Clínicos de Psicanálise
  • 2012 - Feliz por nada
  • 2012 - É tudo tão simples
  • 2012 - Depressão:dos sintomas ao tratamento
  • 2012 - Como manter a mente sã
  • 2012 - Como deixar de ser gordo
  • 2012 - Como amar uma criança
  • 2012 - A queda
  • 2012 - A poesia do encontro
  • 2012 - A felicidade é fácil
  • 2012 - A elegância do ouriço
  • 2012 - A criação, segundo Freud