Páginas

Seguidores

Marcadores

Amigas (9) Blogando... (3) Brasil (4) Cidade (1) Citaçáo (1) DVDs (1) Enquete (1) Família (4) Felipe (2) Férias (1) Festas (4) Filhos (13) Filme (3) Filmes (2) Filosofando (10) Livros (27) Mãe (8) Mulher (7) Música (5) Pai (5) Pausa... (1) Pedro (20) Pensamento (2) Pensando... (21) Piada (2) Poesia (2) Política (9) Refletindo... (40) Tina (1) Viagem (11) Vovó (4)

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Natal e Ano Novo!

Depois de quase 50 anos (My God!) o Natal teve um sabor diferente. Não posso afirmar que todos meus natais foram doces, o sabor amargo pairou sobre alguns; uns foram mesclados, alguns foram muito azedos (o primeiro sem meu pai azedou até a alma!) e a maioria praticamente melado: principalmente quando meus filhos eram crianças!!!
A correria para comprar presentes, escondê-los até o dia 25 de Dezembro, e aguardar a "carinha" de cada um quando desembrulhavam o pacote, não deixava dúvida de que tudo valia a pena. Apesar da ceia na casa dos avós, os presentes eram "descobertos" quando eles acordavam, "afinal de contas o Papai Noel não tinha horário certo, e em muitas casas ele só aparecia com o novo dia amanhecendo..."
Logo depois chega(va) o Ano Novo! Sempre viájavamos nessa época, e a alegria na casa imperava. Quase sempre o destino era o mesmo: "A Ilha"! Ela fez parte da nossa história, não havia preocupação com escolha de lugares para viajar nessa época, e sim, quais amigos seriam os convidados daquele ano. O Sol nos esperava ansioso, chovia só quando ele deixava uma brecha para a criançada saber como era bom correr na chuva...A festa, a esperança e a alegria eram iguais para todos: confundiam-se adultos e crianças! Os familiares quase não faltavam, e tudo era maravilhoso! Meu filho que aniversaria dia 02 de Janeiro, era o menino mais feliz de todos, pois sabia que era muito privilégio comemorar "seu dia" naquele paraíso!
O tempo foi passando e as transformações aparecendo. Não sou avessa à mudanças, consigo me adaptar com (quase) tudo, mas de repente bate no peito uma saudade que teima em molhar os olhos! "A Ilha" não me vê há anos, e pensando bem, não sei quando nos encontraremos novamente. Mas com a graça de Deus, continuamos sendo uma família feliz, unida e que se reúne sempre que possível. E o Natal deste ano também foi adocicado e melado, mas com um saborzinho diferente, pois entre nós havia o anúncio de uma nova vida, e a certeza do nascimento do Menino Jesus no coração de todos nós...

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Entendi... (Parte II)

-Que amo festas, e estou sempre pensando em uma...
-Que quando me elogiam, sinto-me nas nuvens...
-Que adoro cantar, mesmo desafinando sempre!
-Que estudo por prazer,e
-Que já estou matutando o que iniciar no ano que vem!
-Que prefiro começar do que acabar...
-Que estou aprendendo a escutar com a alma, e a aceitar as pessoas como são e não como eu desejo que sejam...
-Que amar incondicionalmente é difícil p/ burro...
-Que sou vaidosa, curto cuidar do corpo e do rosto, mas...
-Que a parte mais importante do meu corpo é a cabeça, e por isso vou continuar dispensando a ela o maior carinho e investimento, equilibrando-a com terapia, sonhos, leitura, música...
-Que a paciência é a mais difícil das virtudes, mas vou continuar pedindo a Deus todos os dias:
-Que me dê muita paciência, mas também "resolução" para meus problemas!!!

sábado, 28 de novembro de 2009

Entendi...(Parte I)

-Que procuro ser sempre a mesma, mas não sou a mesma sempre...
-Que amo muito, por inteiro, e não consigo ser diferente...
-Que não gosto de mentiras, mas elas existem, é verdade, e ponto final.
-Que não acerto sempre, aliás, erro p/ caramba!
-Que sigo muito mais meu coração que a "minha razão"...
-Que amo muito meu marido, e que continuo ciumenta...
-Que meus filhos serão sempre o máximo para mim, e que eu acho que sei tudo sobre eles, e me surpreendo que muitas vezes nada sei...
-Que choro gostoso quando recordo o passado...
-Que quando sinto falta de alguém, choro feio...
-Que ainda tenho medo do escuro total...
-Que consigo me reeguer quando "o bicho pega"...
-Que adoro contar piadas, e ligo sim quando alguém faz "cara feia"...
-Que vai ser " difícil sobreviver", se precisar romper relações com o ar-condicionado e com meu bom e velho secador...
-Que já inventei histórias para animar alguém que precisava...
-Que já falei coisas que não devia, que não falei tudo o que queria, que vou continuar errando nas falas, e que muitas coisas não direi jamais...

domingo, 8 de novembro de 2009

Um novo amigo!

Conheci a poesia de Manoel de Barros, e estou feliz demais por isso! Ele me provocou emoções, nostalgias e risos, como há muito não sentia.
Ele escreve com pureza, com um amor sem limite, mas não dá pra definí-lo. É simplesmente envolvente, gostoso, singelo.
O nome deste livro é incrível: "O livro das ignorâças". Rubem Alves que o indicou em uma de suas crônicas.
Sinto-me confortável como se estivesse ao lado de um amigo de muito tempo, e não vou deixá-lo mais !

"Bernardo é quase árvore.
Silêncio dele é tão alto que os passarinhos ouvem de longe.
E vêm pousar em seu ombro.
Seu olho renova as tardes.
Guarda num velho baú seus instrumentos de trabalho:
1 abridor de amanhecer,
1 prego que farfalha,
1 encolhedor de rios e
1 esticador de horizontes.
(Bernardo consegur esticar o horizonte usando três fios de teias de aranha. A coisa fica bem esticada)
Bernardo desregula a natureza.
Seu olho aumenta o poente.
(Pode um homem enriquecer a natureza com a sua incompletude?).

Não é por acaso que é considerado o "Guimarães Rosa da poesia", pois consegue "descascar as palavras até o caroço"...
Fui procurar farfalha no "Aurélio" , associei com "1 prego que farfalha", e a amizade por esse novo amigo cresceu mais ainda...

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Sei não...

O dia hoje foi tenso e denso, e provocou uma reflexão confusa e estranha: nem sempre sou compreendida, e isso me incomoda um pouco; verdade, um pouco. Esse meu jeito meio desligado, mas ao mesmo tempo "antenado", às vezes vai "causando" alí e acolá...mas eu gosto muito dele... e afinal, como sempre falo que nada muda, só se tranforma em melhor ou pior...(Pausa para trabalhar mentalmente os verbos mudar e transformar...)

E aí, continuei a refletir e pensei muito na coluna da Lya Luft na Veja desta semana. Muita coisa que pensamos ser dela, principalmente essas mensagens recebidas por e mail, não são, e ela resoveu desabafar, e me comoveu.

Excelente texto, como todos, e quando lí que ela não teria escrito jamais um texto daqueles, me bateu uma emoção diferente: já tinha passado pela minha cabeça que ela não poderia ter escrito daquele jeito, digamos, tão pedante! Lya é tão elegante na forma de escrever, e que antipatia era aquela! Achei a palavra que define aquele texto: antipático! Relacionei, então, com incompreensão, assim: como uma leitora de seus livros, euzinha, pode passar adiante uma mensagem que já percebi de antemão não ter nada a ver com ela? Com que direito passo esta ou aquela mensagem de outra pessoa? O que está acontecendo comigo???????

Que reflexão esquisita... me fez até pensar em não fazer mais parte da era internáutica que estou vivendo e participando ativamente, e ficar recolhida e acolhida com meus queridos livros, revistas e jornais...sei não...

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Você já é vovó!

"Voce não vai ser vovó, voce já é vovó!"
Ouvi essa frase de uma pessoa muito querida, e levei um choque! Como assim já sou vovó??? O bebê ainda não nasceu!
"Ele já é uma vida!"
Pensei e refleti nas palavras sinceras, e senti que realmente a minha filha já é mãe, meu genro já é pai e meu marido já é vovô!

E não é que me sinto e me posiciono de muitas formas e maneiras? Como assim? Às vezes uma jovem, outra vez uma senhora, outra, uma universitária, uma mulher, uma criança, uma filha, uma mãe, e agora , uma vovó... Em cada momento do dia aparece uma 'entidade" , empurrando e pedindo licença à outra, que vai deixando seu espaço!

Sim, a maravilha da vida é isso! Uma mistura de sentir e pensar que vão transformando os dias em uma roda-gigante incrível, onde pode-se visualizar lá de cima o ciclo mutante de cada época da vida, mas que de repente, fundem-se em um só dia, em um só segundo, em um só momento.

Já sou vovó. Vovó de um ser em construção, sendo 'preparado' na barriga de minha filha, pelo milagre da fusão do amor do meu genro por ela. Não, é demais de profundo, é de uma singeleza que só pode mesmo beirar o divino, quando penso em uma nova vida nascendo...

Há poucos dias disse à minha filha, que quando a "estava preparando", comecei a me desligar e desencanar do mundo. Tive mais dois filhos. Continuei no processo, e agora pensando no primeiro neto, não imagino onde vou parar...




segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Groningen

Estamos (marido e eu) aqui na Holanda, na casa da minha filha e genro, curtindo esta maravilha de cidade.
Encantadora e deliciosa, são os dois adjetivos que mais combinam com essa cidade.
Nunca vimos tanta gente jovem e bonita concentradas numa cidade. Ao contrário de Viena, onde imperam os idosos, aqui eles são minoria. Sem bincadeira, parece uma cidade de modelos.
Outro detalhe interessante, são as bikes. São em demasia, duas por habitante. Como diz minha filha, eu sou uma "daliti" completa, pois não ando NUNCA de bike. Mas caminhar é comigo mesmo, e estamos fazendo isso todos os dias. Os ônibus (são hidramáticos, aquecidos e com os janelões enorme, típicos daqui) também são muito usados, e os estudantes tem passe livre sempre. Achei o máximo, eles circulam pela cidade o dia todo, hora de byke, a pé e de ônibus. Só não tem vez, quem deseja andar de carro...Aí, são a sombra dos "dalitis"...
Nossa, ia me esquecendo!!! Todas as janelas das casas e aptos. são enormes e de vidros, característica de um país onde nasceu os "Big Brothers da vida"!
Ainda não fui à Amsterdã, apenas desembarcamos e viemos direto p/ cá, "by trem"; será no próximo finde, mas amei essa cidade, que por sinal tem tudo a ver com a Pati e Junior! Estão na cidade que pediram a Deus!
E por falar em trem, como foi boa essa pequena viagem de chegada: são menos de 2 horas, vacas holanesas e ovelhas espalhadas em fazendas fabulosas que se confundem com a paisagem incrível de um país muito desenvolvido!
Passamos os tres últimos dias em Londres, cidade que também me surpreendeu, pois fiquei apaixonada por ela. É "um cidadão", que vou descrever em outro momento.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

FÉRIAS!!!!

Viajo no próximo sábado, e volto, se Deus quiser (e Ele há de querer!!!), no final de outubro!
Beijinhos e até breve!!!!

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Que loucura!

"Ela desatinou
Viu chegar quarta-feira
Acabar brincadeira
Bandeiras se desmanchando
E ela inda está sambando."
Chico Buarque

Sempre que "a coisa pega", essa música me vem à mente! Não me perguntem por quê, mas que acho o máximo continuar sambando na quarta feira de cinzas, quando tudo acabou, ah, que delícia!!

Tenho pensado muito em todas as formas de loucura que enfrentamos no dia-a-dia:loucura do consumo, do dinheiro, da vaidade, do desejo, da ambição, do medo, das doenças... a lista é interminável, infelizmente.

Abrir um espaço para a loucura, é uma verdadeira" loucura"! O que faz um louco? Quem é louco? Quem é o louco?

Se pensarmos em Picasso, Van Gogh, Neruda, Cervantes, Freud, e tantos outros...Chopin, Bach...etc, etc...Michelangelo,Clarice Lispector, João, Maria, José, Antonio...

O louco é um ser ameaçador, pois ele é visionário da inovação, do futuro, da descoberta, do novo tempo, e capaz de "balançar" e mudar toda uma cultura.Tenho o direito de rotular alguém de louco?

A loucura do consumismo, tanto de coisas como de idéias, que tem sido "engolida vorazmente", está fazendo da loucura, uma portadora de transformações pessoais e sociais.

Pensando nas loucuras que "iluminam" o homem atual, conclui-se que, se "o holofote for retirado, a loucura ficará em evidência".





segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Será por acaso?????

Vi na TV há dias, Alexandre Garcia respondendo à Bonner sobre que notícia desejaria dar em primeira mão : "nenhum político foi reeleito nestas eleições"!
Li concomitantemente (que palavrão!), Dilma sendo abençoada pela "bispa" que foi presa nos EUA com dólares "escondidos " não na cueca, mas na Bíblia e em CDs, que acabou de chegar após cumprir pena naquele país, juntinho do "marido apóstolo".
Li ainda que Francenildo Pereira (alguém se lembra quem é???), não queria comparecer e nem tinha terno para poder acompanhar o julgamento do "caso" Palocci. Disse que já sabia "no que ia dar".
O resultado do processo? " Não haverá processo para investigar a participação de Palocci na quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo. O STF resolveu rejeitar as denúncias contra Palocci." Francenildo estava certo. Nem deveria ter alugado o terno.
Esses dois políticos são os "dois coelhos que o mágico presidente guarda na sua cartola para o futuro do nosso país".
Será por acaso?

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

A delicia de ser mulher e ...

Penso que logo, logo, trocarei o nome deste blog para
"A DELÍCIA DE SER MULHER... E VOVÓ!!!!!
Mais ou menos em 6 meses, pois em Março de 2010, serei a vovó mais feliz da blogosfera, ou melhor, do mundo!!!!!!

sábado, 29 de agosto de 2009

"Miss Imperfeita"

Esse texto da Martha Medeiros me diz MUITO!!!

"...Sou a Miss Imperfeita, muito prazer.

A imperfeita que faz tudo o que precisa fazer, como boa profissional, mãe, filha e mulher que também sou: trabalho todos os dias, ganho minha grana, vou ao supermercado, decido o cardápio das refeições, cuido dos filhos, marido, telefono sempre para minha mãe, procuro minhas amigas, namoro, viajo, vou ao cinema, pago minhas contas, respondo a toneladas de e mails, faço revisões no dentista, mamografia, caminho diariamente, compro flores para casa e ainda faço as unhas e depilação!

E entre uma coisa e outra, leio livros.

Portanto, sou ocupada, mas não uma workholic.

Por mais disciplinada que eu seja, aprendi duas coisinhas que operam milagres.

Primeiro: a dizer NÃO.

Segundo: a não sentir um pingo de culpa por dizer NÃO. Culpa por nada, aliás.

Existe a Coca Zero, o Fome Zero, o Recruta Zero. Pois inclua na lista a Culpa Zero.

Quando voce nasceu, nenhum profeta adentrou a sala da maternidade e lhe apontou o dedo dizendo que a partir daquele momento voce seria modelo para os outros.

Seu pai e sua mãe, acredite, não tiveram essa expectativa: tudo o que desejaram é que voce não chorasse muito durante as madrugadas e mamasse direitinho.

Voce não é Nossa Senhora.

Voce é, humildemente, uma mulher.

E se não aprender a delegar, priorizar e a se divertir, bye-bye vida interessante. Ter a vida interessante não é ter a agenda lotada, não é ser sempre politicamente correta, não é topar qulaquer projeto por dinheiro, não é atender a todos e criar para si a falsa impressão de ser indispensável. É ter tempo.
Tempo para fazer nada.
Tempo para fazer tudo.
Tempo para dançar sozinha na sala.
Tempo para bisbilhotar uma loja de discos.
Tempo para sumir dois dias com seu amor. Tres dias. Cinco dias.
Tempo para uma massagem.
Tempo para ver novela.
Tempo para receber aquela amiga...
Tempo para fazer um trabalho voluntário.
Tempo para procurar um abajour novo para seu quarto.
Tempo para conhecer outras pessoas.
Voltar a estudar.
Tempo para engravidar.
Para escrever um livro que voce nem sabe se um dia será editado.
Tempo para decobrir que voce pode ser perfeitamente organizada e profissional sem deixar de existir.
...Existir, a que será se destina?
Destina-se a ter tempo a favor, e não contra.
A mulher moderna anda muito antiga. Acredita que, se não for super, se não for mega, se não for uma executiva ISO 9000, não será bem avaliada. Está tentando provar não-sei-o-que para não-sei-quem.
Precisa respeitar o mosaico de si mesma, privilegiar cada pedacinho seu.
Se o trabalho é um pedação da sua vida, ótimo!
Nada é mais elegante, charmoso e inteligente do que ser independente.
Mulher que se sustenta fica mais sexy e mais livre para ir e vir. Desde que lembre de separar alguns bons momentos da semana para usufruir essa independência, senão é escravidão, a mesma que nos mantinha trancafiadas em casa, espiando a vida pela janela.
Desacelerar tem um custo. Talvez seja preciso esquecer a bolsa Prada, o batom M.A.C., o hotel decorado por P. Starck.
Mas se voce precisa vender a alma ao diabo para ter tudo isso, francamente, está precisando rever seus valores.
E descobrir que uma bolsa de palha, uma pousadinha rústica à beira-mar e o rosto lavado(ok, esqueça o rosto lavado), podem ser prazeres cinco estrelas e nos dar uma nova perspectiva sobre o que é, afinal, uma vida interessante".









domingo, 23 de agosto de 2009

BRASIL (sil, sil, sil!)

A vitória das "meninas do volei" e do Rubinho, me fizeram sentir melhor e mais animada para iniciar a semana, que será punk!
Começo brincando, mas não estou de brincadeira não!
O que dizer de novo de "lula e sua gangue"?
Nada, nothing, nahim...Só falcatruas e mais absurdos (querem porque querem voltar c/ a CPMF, porque a gripe suína abalou os cofres públicos!!!!) e, como uma lamparina no final do túnel, a frase do presidente do Ibope: "Lula não fará seu sucessor!" Com licença, Pati, HAREBABA!

E desse monstroxmédico "roger abdelmassih???
Como engolir esse indecente? Entre barbaridades praticadas por ele (extraídas da "Veja"):
"...em cima de mim, com a calça arriada e o pênis na minha mão, suja de esperma". Relato de uma paciente quando acordou da anestesia sentindo o corpo do médico.
...depois começou a me lamber, dizia voce é linda, é muito especial, vem cá, enquanto colocava a mão por dentro do avental...Outro relato.
Outra conta que tem certeza do ato sexual consumado, outra teve sangramento anal.
Lí ainda que ele deixava escapar "segredinhos' das pacientes, quando em contatos sociais, pois era muito bem relacionado e bem-falante. Sempre rodeado de famosos, tanto pacientes como amigos.
Outro relato inquietante é de um empresário que afirma ter destruído a própria vida, depois de aceitar uma proposta aviltante do médico.
No final da entrevista da "Veja" ele diz que "tem recebido muito apoio e que uma mulher mandou cartas se dizendo apaixonada". Também se intitulou de "Doutor Vida".
Juliana Linhares, a jornalista da revista, me emocionou muito ao escrever: "nenhum homem e poucas mulheres sabem o que é o impulso consumidor da maternidade frustrada, mas todos conseguem entender de alguma forma o processo. O desejo de ser mãe chega a queimar por dentro, de tão intenso. Nada mais importa, nada mais tem significado."
Sinal de Deus: no dia 7 de agosto, dez dias antes do acatamento pela justiça das denúncias contra esse médicoxmonstro, as alterações nos artigos do C.Penal relativas a crime sexual foram aprovadas pelo Senado e entraram em vigor, e estupro também é qualquer ato sexual praticado mediante violência ou grave ameaça, e não só conjunção carnal (penetração vaginal pelo pênis).




sexta-feira, 14 de agosto de 2009

"Parar para pensar? Nem pensar!"

Há dias li um texto da Lya Luft, que entre outras reflexões, ela pensou sobre o pensar.
Fiquei com as palavras dela na cabeça, e não parei de pensar.
"Corre-se o dia todo, não dá tempo para pensar. Também, como vou parar pra pensar? São tantas questionamentos, que não consigo ordenar os pensamentos!" Como ouve-se isso!
"Para que questionar a desordem e os males todos, para que sair da rotina, querer descobrir um sentido para a vida, até mesmo curtir o belo e o bom, que talvez existam? Pois, se for ilusão, a gente perdeu um precioso tempo com essa bobajada, e aí, o ônibus passou, a festa acabou, o bar fechou, a mulher fugiu, o marido se matou, o filho...nem falar." (Lya)
Ela termina seu texto, pensando sobre o exagero das medicações que estão entrando na vida de todos, na pílula para dormir, para acordar, para libido, para depressão...
Ler, pensar, refletir podem trazer dor, mas trazem liberdade, coragem, transformação, encantamento na vida e nas ações.
Quem não pensa em parar para pensar, não tem disposição para ouvir.
Quem pensa que o ter é bem mais que o ser, vai continuar pensando em ter felicidade através de aquisições futuras (principalmente em "ter de aparecer"...), e não pensa em ser feliz hoje, com as coisas rotineiras e maravilhosas que Deus presenteia, com um BOM DIA do maridão, com a quentura que traz o Sol, com o cheiro delicioso da chuva, com o almoço gostoso da segunda-feira (em casa!), com a alegria de uma futura mãe ao saber que uma nova vida está para chegar, com a mistura de riso e choro de alguém que abriu um exame e descobriu que está curado de uma doença, com o novo trabalho de um ex-desempregado, com um abraço de um filho, com um telefonema de uma amiga, com a cama de lençol cheiroso, a toalha macia...
Voltando à Lya: "apregoa-se a liberdade, mas somos escravos. Oferecem-nos múltiplos bens, mas queremos mais...em toda esquina novas atrações, mas continuamos insatisfeitos. desejamos permanência, mas nos empenhamos em destruir."
Parar para pensar? Vou parar e pensar, ou melhor, vou pensar em "pensar em parar"...



quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Tubarão, o filme.

"Semeie um sentimento, colherás um desejo,
semeie um desejo, colherás a ação,
semeie a ação e colherás o hábito,
semeie o hábito, colherás o caráter." (T. Toth)


Quando assisti o "Tubarão", há bons anos, fiquei impressionadíssima, não com o tamanho do peixe, mas na dificuldade dos indíviduos de acreditarem que o perigo era iminente; foi um divisor de águas no meu modo de pensar a vida.

Essa reflexão de hoje vem de encontro com o pouco caso da prevenção em razão da gripe suína. Se fôssemos um país sério, a Promoção da saúde viria em primeiro lugar, a Prevenção em segundo e a Recuperação em terceiro, mas não, infelizmente aqui é o inverso:

Recuperação (ou Restauração), Prevenção e (quiçá) Promoção. Basta olhar nosso Sistema de Saúde, e a formação da maioria dos nossos médicos. Vamos deixar como está para ver como é que fica (...). Isso é fogo de palha. O pessoal sempre exagera. Essa gripe não tem nada de anormal. E por aí afora.

Penso que a realidade da gripe é MUITO séria. E a conduta da maioria não. A opinião de professores, advogados, mães, pais e muitos médicos dizendo que a suspensão de aulas é bobagem ( a maioria levando em conta apenas a probabilidade de extensão do ano letivo, as aulas acontecerem também aos sábados, os prejuízos que poderão existir com viagens ... enfim, somente a preocupação do "bem estar" individual, no máximo, familiar) me deixou em pânico, o mesmo sentimento provocado pelo filme.

Mas, como disse Mílton Nascimento, quem tem Maria no nome tem a estranha mania de ter fé na vida, e por sorte, eu tenho.

domingo, 2 de agosto de 2009

Novo visual!

Resolvi dar uma incrementada no meu blog, e gostei. Tirei uma tarde p/ ficar "brincando" e achei muita coisa interessante, mas tem alguns que não consigo adicionar!

Esse da metereologia, eu pensei que iria ficar fixo com o tempo da minha cidade, ma niente! O legal é que posso ficar clicando no "edit", colocando Vienna, São Paulo, etc, e quem acessar o blog também pode consultar, achei legal. Curto previsão de tempo, e quando a "própria natureza" dá um balão em todo o equipamento técnico e científico, gosto de dizer: "...e ainda tem gente que não acredita em Deus...", mas essa história fica prá outro dia!

Tem alguns gadgets que estou testando, outros ficarão fixos. O do calendário ficará, posso clicar e mudar para mensal. O da caloria e do peixe (que por sinal, é fôfo, clico em qualquer lugar para aparecer comida e eles se movimentam rapidamente) estão em teste, vou ver como me dou com eles! E quando tiver outro tempo e disposição, vou teimar com os de vídeos e músicas (o que mais quero!)!!!!

sexta-feira, 31 de julho de 2009

"Amigo urso!"

Adoro os ursos, não sei o motivo dessa expressão que ironiza esses animais, mas para nossos políticos fedidos, é o que me vem na memória .
Pensei dias atrás que adoraria ler uma manchete assim:
O "bonitão" abandonou o "amigão" alhures! E lí, com outras palavras, mas lí.
E infelizmente não gostei. Não era nada disso que eu queria, de coração. Eu gostaria de ver e ler que nossos políticos tinham sofrido uma mudança, e que agora a ética e o respeito estavam dando as caras. Grande ilusão, continua tudo "como dantes no quartel de abrantes".
Agora ele diz que não votou no "amigo", que ele não tem culpa de nada e todas aquelas baboseiras que estão sempre por aí, prá alguém poder ler e se irritar.
Os conchavos armados e a safadeza embutida nesses hipócritas, me dá uma sensação de "mãos amarradas" que me deixam muito triste. Ao mesmo tempo, saber que para mudar "o rumo dessa prosa" vai ser difícil, mas não impossível, já me dá um ânimo danado!
Será que tenho "perdido" minutos preciosos dos meus dias escrevendo para Jornais e Revistas, falando e discutindo com amigos, família, na academia, na faculdade, etc??? No fundo, penso que não.
Vão surtindo alguns frutos aqui e alí, ouço alguém tão ou mais indignado ainda, e assim vamos desfraldando bandeiras e preparando o coração p/ muitas emoções!

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Otimista

Uma das minhas características marcantes é esta: sou otimista "de carteirinha", às vezes irrito a galera, que me acha exagerada. Mas não me incomodo, sou assim mesmo e vou em frente.
Se um problema tiver 1% de chance de ser resolvido, dou 100% do meu esforço para que o resultado seja o esperado; se não foi, mas ainda resta um fio de esperança, não desanimo, e recomeço.
O porquê de revelar esse dom, pelo qual agradeço a Deus todos os dias é o meu estado atual: assustada.
Isso mesmo, estou completamente assustada, perplexa, escandalizada e indignadíssima com a pouca vergonha escancarada da política desse país, que me envergonha tanto que chega a me impedir de considerá-lo "meu país".
São escândalos e mais escândalos! Dos vereadores da pequena cidade ao "bonitão do palácio da alvorada", não tem um só dia que passa sem uma vergonhosa ação. Não tem mais limite a corrupção dessa gente.
E nós, os brasileiros, essa gente (otimista) que rala muito, que não tem saúde, segurança, nem educação pública, mas paga os maiores impostos do mundo, e que no final de semana, reúne os amigos, faz seu churrasquinho, toma "umas", reclama de algum fato, e segue rindo (será otimismo?). Do quê????
As eleições do próximo ano estão chegando. Oxalá eu consiga fazer com que meu ínfimo 1% de esperança nesse país se transforme em 100% de esforço, e que o meu otimismo me ajude a arregaçar as mangas, e contribuir de alguma forma para uma transformação.
Já sei que não vai ser nada fácil, mas o que mais bate na minha otimista consciência é essa pergunta constante:
Que país deixarei para a próxima geração? O que estou fazendo de concreto para ajudar os jovens e aqueles que ainda estão por vir? Será que posso trocar o "eu" por "nós"???
Vou continuar com essas reflexões, ah como vou!!!

terça-feira, 14 de julho de 2009

Bom Dia!

Prá mim, este é o cumprimento mais fantástico que existe! Adoro dar e receber "Bom Dia"!

Quando iniciamos um curso de línguas, esta é uma das primeiras aprendizagens: good morning, buon giorno, buenos dias, bonjour...

Posso oferecer BOM DIA, BOM DIA, BOM DIA, BOM DIA e BOM DIA! E posso receber em troca qualquer um desses "tipos", mas normalmente ofereço sempre o primeiro, em alto e bom som (Boa Tarde e Boa Noite acompanham o mesmo raciocínio, mas o nascer de um novo dia, para mim, é o verdadeiro presente de Deus).

E o que significa o "bom dia"? Que desejo à pessoa que ela tenha um bom dia, que tudo corra bem, que o dia seja como ela imaginou, que seu dia, enfim, "seja bom o bastante"???

É claro que sim, e na maioria das vezes recebemos além das palavras, um sorriso, ou apenas ele, e algumas vezes, uma cara de espanto; em outras, nenhum sinal de concordância, é a famosa "cara fechada"! Às vezes, quando o nosso "bom dia" depara-se com essa tal da "cara feia", pensamos: " que cara antipático (a), tá de mal com a vida, dormiu descoberto..."

Mas além disso, penso que existe uma atitude muito maior implícita nesse "bom" , separado do "dia", e ao mesmo tempo tão unido: BOMDIA - B O M D I A.

O cumprimento QUE FAÇO E RECEBO está desejando sutilmente que o outro seja "bom" e que eu também seja "bom", ou no meu gênero, que eu seja "boa", boa mãe, boa filha, boa amiga, boa esposa, boa sogra, boa nora, boa cunhada, boa madrinha, boa tia, boa profissional, boa vizinha, boa cidadã, boa motorista, boa aprendiz, boa professora, boa cidadã...Boa, simplemente boa, e nem preciso galgar "o degrau de ótima ou excelente", boa tá de bom tamanho; como diz Winnicott "...suficientemente boa...", ser boa para este dia que está APENAS começando, e que eu posso transformá-lo quando assumir a atitude de ser APENAS "boa".

Um segredo: meu coração transborda de alegria quando meus filhos me ofertam um delicioso "BOM DIA", e mais ainda, quando vi e ainda vejo essa mesma OFERTA, ser doada por eles ao porteiro do prédio, aos amigos, às avós, à diarista, ao padeiro, ao motorista, ao entregador...outro presente de Deus!

Desejo a todos um BOM DIA!

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Não sou apenas espectadora da Vida...

"Já perdooei erros quase imperdoáveis,
tentei substituir pessoas insubstiruíveis e
esquecer pessoas inesquecíveis.
Já fiz coisas por impulso,
já me decepcionei com pessoas quando nunca pensei me decepcionar,
mas também decepcionei alguém.
Já abracei pra proteger do mundo.
Já dei risada quando não podia, fiz amigos eternos, amei e fui amado, mas também
já fui rejeitado, fui amado e não amei.
Já gritei e pulei de tanta feleicidade, já vivi de amor e fiz juras eternas,
"quebrei a cara por muitas vezes".
Já chorei ouvindo música e vendo fotos,
já liguei só para escutar uma voz,
já me apaixonei por um sorriso.
Já pensei que fosse morrer de tanta saudade,
e tive medo de perder alguém especial ( e acabei perdendo!).
Mas vivi! E ainda vivo!
Não passo pela vida...e você também não deveria passar!
Viva!!!
Bom mesmo é ir à luta com determinação, abraçar a vida e viver com paixão,
perder com classe e vencer com ousadia,
porque o mundo pertence a quem se atreve e a vida é MUITO
para ser insignificante."
Gostaria muito de ter escrito esta maravilha de 'texto-poesia"; recebi há tempos como sendo do Chaplin, e resolvi compartilhar. Penso que pelo menos uma vivência dessas, todos tivemos. Eu, sinceramente, tive e tenho muitas delas.
Não tenho idéia do título, coloquei a meu "bel prazer".

terça-feira, 7 de julho de 2009

Café com açúcar

Com este singelo nome foi batizado nosso grupo de leitura semanal, que completou 3 meses. Somos hoje seis amigas muito entrosadas, mas esse número pode crescer, pois "sempre cabe mais uma" ! É uma das minhas atuais alegrias. Gosto dessa "re -união" p/ caramba!

Estamos lendo em "con-junto" sem pressa nenhuma,"A Idade dos Milagres", de Marianna Williamson. É uma experiência no mínimo incrível fazer uma leitura em grupo. Refletimos um parágrafo, uma frase, e às vezes ficamos empactadas com a "música" de um capítulo (todos os capítulos são de títulos de músicas conhecidas; o primeiro é "The long and winding road", dos Beatles. A autora é sensível demais!). O livro valoriza a mulher que está chegando à maturidade...e de que modo ela responderá a essa fase da vida...enfim, se ela vai envelhecer com pouca graça ou com muito entusiasmo!

E o que vai acontecendo com nossos sentimentos no decorrer da leitura é que faz todo o sentido. Está sendo de uma riqueza ímpar, e os laços da amizade vão se estreitando de uma tal forma, que quando não é possível "re unirmos" na semana por algum motivo, sentimos uma falta que beira ao insuportável (ficamos ligando uma para a outra, passando e mail, "mas COMO ASSIM não vamos nos encontrar?????"...)!

Não somos pioneiras, existem outros grupos que já fazem o mesmo; mas percebemos com muito encanto o quanto que somos capazes de transformar, de refletir, de melhorar, de pensar, de falar, de somar, de dividir, de chorar, de rir , de compartilhar, e principamente de OUVIR !

Ouvir e prestar atenção naquilo que cada uma extai da leitura, ouvir com o coração o que brota através do entendimento e da reflexão. É uma experiência nova, silenciosa, maravilhosa, inquietante e que faz perpetuar a delícia de ser mulher!











domingo, 28 de junho de 2009

Comprei duas jóias!

São verdadeiras jóias, que quando não as estiver "usando", vou trancá-las no cofre!
"CUBA-OMARA&BAHIA-BETHÂNIA". A caixa é um luxo, e o conteúdo é um tesouro: um livro e um dvd. Uma união mais que perfeita. União de duas cantoras fabulosas e de dois países (...), Brasil e Cuba.
No livro, além de fotos emocionates, depara-se com textos de uma beleza indescritível. Lya Luft, Mônica Waldvogel e Nélida Piñon se superam. Ainda tem a contra capa com Ferreira Gullar, além de outras feras.
"Caía uma chuva formidável sobre a estrada que margeia o litoral...". Mônica
"O enredo de Bethânia repete a trajetória comum a todos nós. Deixa a casa, família, mas sem desatar um único laço." Nélida
"Tem também sua face profunda essa mulher que canta: uma mudança de tom de voz, numa batida diferente, num sussurro ou num grito, M. Bethânia parteja o ser humano com sua danação e glória...". Lya
O dvd me fez chorar, e fará muitas outras vezes. Chôro de emoção forte, chôro que lava e purifica o coração.
Estou ofuscada pelas minhas jóias, e enquanto a Seleção Brasileira inicia perdendo por 2 gols, neste domingo lindo e ensolarado, vou "usá-las" na outra sala...

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Resposta à "enquete" da Pati

Pensei, pensei e pensei....e elegi 3, por enquanto!!!! "Cinco coisas que gostaria de ser, não sou, mas arrisco!"

A palavra arriscar é que pegou, mas vamos lá:

1- Em primeiríssimo lugar, ser cantora!!!!!! Juro que arrisco, mas "como não pego o tom", continuo arriscando, e no segundo semestre, arriscarei um curso de canto, pode?????

2- Reger uma orquestra!!! Arrisco na imaginação, mas quem sabe algo sobre o amanhã da Sonica?

3- "Sair pedalando pela vida com o meu amor...", já arrisquei, ainda não consegui, mas...


quinta-feira, 18 de junho de 2009

"O show do eu- a intimidade como espetáculo" Parte II

Fiquei 3 meses com esse livro pra lá e prá cá, e com mais alguns fluindo bem. E muitas vezes o deixei bem mais pra lá!!!! Além de inquietações, ele provocou muito vai-e-vem, pois quando retomava à leitura, necessitava voltar aos capítulos anteriores.

Na primeira página, encontra-se uma inquietação de Nitzsche: "Como alguém se torna o que é?" Isso em 1888, e em 2008, Paula Sibilia questiona:" Será que estamos sofrendo um surto de megalomania consentida e até mesmo estimulada??...ou de uma explosão de produtividade e criação?...Qual a relação deste eu e deste você, tão venerados hoje em dia, com aquele alguém de Nietzsche?"


A autora vai relatando muito bem sobre todo esse tsunâmi de inovações tecnológicas, essas ferramentas on-line que se modificam como num passe de mágica, e mostra como essas que provocam confissões, dispararam e seduziram milhões de usuários pelo mundo.


O blog é um diário íntimo, só que publicado pela Internet, e o principal objetivo consiste em conquistar visibilidade, senão perde o sentido. Faz similaridade com os fenômenos contemporâneos que escancaram vidas privadas: reality shows, revistas de celebridades, talk shows, you tube, my space, orkut, biografias, etc. O anonimato parece estar completamente indesejável, e a "mera possibilidade de passar despercebido pode se converter no maior dos pesadelos".


"Cada vez mais é preciso aparecer para ser. Pois tudo aquilo que permanecer oculto, fora do campo da visibilidade, seja dentro de si, trancado no lar ou no interior do próprio quarto, corre o triste risco de não ser interceptado por olho algum..."

"Agora se trata de você, eu e todos nós. E quem disse que o fato de termos sido eleitos as personalidades do momento não possa ser, apesar de tudo, uma boa notícia? Tudo irá depender, provavelmente, do que resolveremos fazer com isso."
Será 'instigante" a palavra correta?


terça-feira, 16 de junho de 2009

"O show do eu"

Há 3 meses deparei-me com uma promoção em uma revista que assino, que consistia em opinar sobre blog ("coisa" que nem passava pela minha cabeça!); o prêmio seria um livro, "O show do eu - a intimidade como espetáculo", de Paula Sibilia.

Eu estava tentando entender que universo era esse, achei muito interessante o título do livro, e resolvi participar.

Fiz um paralelo entre o diário que escrevi há mil anos, na adolescência, e o blog que minha filha estava iniciando.

O meu diário era secretíssimo (doce ilusão!), escondido no fundo de uma gaveta, e nele estavam guardados meus sonhos e desejos mais íntimos! Não o havia apresentado nem a minha melhor amiga!

De repente, a desilusão: desconfiei que minha mãe o havia encontrado, e pior, o havia lido! Não tive dúvida, comecei a escrever em códigos, para que ela não pudesse satisfazer sua (trágica) curiosidade irritante; e o cômico da história, foi que, depois de um tempo, eu não decifrava mais todos eles!

Mas reconheci uma vitória íntima, calada: nunca o assunto veio à tona, mas confirmei que ela o tinha lido e que depois de um tempo, desistiu, também calada, porque não captava mais nada. Inventei alguns"truques" para descobrir a intromissão: deixava "meu querido diário" de ponta-cabeça, de lado, com a primeira página dobrada, e quando o encontrava de outro jeito...bingo! Dá-lhe novos códigos, e muito riso contido! Até que um dia, a tormenta passou, veio a bonança, e continuei escrevendo com a alma serena...

Sobre o blog, eu estava engatinhando nas minhas suposições: não seria uma exposição exagerada, quais seriam as consequências, quem partilharia com esse íntimo não (tão) mais secreto??? E foram com essas reflexões que, para minha agradável surpresa, fui uma das dez ganhadoras da promoção!


Amanhã eu coloco o segundo capítulo desse instigante "show do eu"!

domingo, 7 de junho de 2009

Veneza

Ontem passei algumas horas deliciosas escolhendo fotos e terminando o álbum da última viagem. Revivi os lugares, senti o cheiro e o sabor de vários dias.
Nesta viagem, visitei Veneza pela segunda vez. Havia conhecido essa cidade há exatos 10 anos!
Gostei e aproveitei mais ainda!
O tempo que tínhamos encomendado, estava lá nos aguardando, perfeito! Clima ameno, o azul do céu e o verde das águas ofuscaram nossos olhos, e o calor do Sol, finalizou a última estrofe da poesia.
Cidade alegre, deliciosa, encantada! Nossa viagem foi de carro, de Viena à Veneza. Rodovia e paisagens singulares, o vaporetto, a chegada à cidade, o passeio de gôndola, justamente no momento em que o Sol iniciava a sua despedida do deslumbrante dia que havia iluminado..., o vinho que acompanhou o jantar pra lá de romântico...
Sim, esses cenas grudaram no meu coração, e vou poder acessá-las sempre que precisar.
Quando dei uma pausa nas recordações para ler o jornal, deparei-me com um texto do escritor, Orhan Pamuk, que definiu seu sentimento por Veneza assim:
"Quando sentimos por dentro a profundidade de uma visita veneziana, nos damos conta de que a felicidade é possível nesse mundo".
..."O que é que nos convida a beijar quando vemos um cenário bonito? Deve ser porque , por um instante, nos damos conta de quão belo é este mundo e de como a vida pode realmente ser bela."
Diante de tamanha inspiração, recordei que foi alí mesmo, na incomparável "Rainha do Adriático", a cidade mais romântica que conheço, que eu e o maridão nos beijamos muitooooooooo!

sábado, 6 de junho de 2009

Finitude e impotência

Diante de ocorrências "anormais", como suicídio e desastres de pequeno e grande porte, reflito (ainda mais) sobre a vida e a morte.
A finitude da vida, principalmente a inesperada, deixa um gosto de fel, e provoca dor, revolta, culpa, pavor, medo, angústia, tristeza e total impotência.
Último domingo de Maio. Uma jovem, um adulto, e mais 228 pessoas, saíram da vida inesperadamente, e assaltaram minha mente. A jovem ocupou espaço maior, por ter ligação familiar comigo; dediquei mais tempo a ela, confesso, mas por todos pedi muito a Deus; dividi indignção e perplexidade com amigos. Não conhecia ningúem do avião, mas me coloquei no lugar de passageira, dos familiares e amigos. Fiquei péssima.
Empurrei essa semana com muita dificuldade, introspecção e não tão feliz, até que duas amigas tornaram-se avós.
(Nascer e morrer. "Sempre há por quem sorrir e por quem chorar..."!) A felicidade das duas era tamanha, que o contágio foi fulminante.
Estou terminando a semana melhor, graças a Deus, e lembrando que "não devo levar a vida tão a sério, porque não vou sair viva dela!"
Continuo com minhas orações, reflexões, solidariedade, mas não com tristeza. Acredito que aprender a viver é isso: deparar com o inesperado e enfrentá-lo; aproveitar muito bem cada dia, sendo digno e ético; aprender e ensinar; ter esperança e fé em Deus; sonhar, realizar e seguir cantando:
" Viver... e não ter a vergonha de ser feliz!
Cantar e cantar e cantar
a beleza de ser um eterno aprendiz!
Ah! Meu Deus! Eu sei
Que a vida devia ser bem melhor ( e será!)
Mas isso não impede que eu repita:
É bonita, é bonita e é bonita!"

sábado, 30 de maio de 2009

85 anos

Meu pai nasceu em 1924 e faleceu em 2001.
Hj tenho uma saudade gostosa, já foi doída demais. Ele não preparou sua saída de cena, foi muito rápido. Em dois meses adoeceu e morreu.
Tinha um conhecimento e uma memória invejáveis.
Lia demais: assinava 3 revistas mensais, e 3 jornais diários. Lia tudo de cabo a rabo. Até os classificados.
Machado de Assis e Eça de Queirós foram seus preferidos. Mas leu todos os clássicos e os não tão clássicos, fez parte do "Clube do Livro", nessa época chegavam 2 livros por mês (que eram consumidos em poucos dias) e adquiriu inúmeras coleções: Monteiro Lobato, Tesouro da Juventude, Barsa e outros. Confirmo que leu todos. Leu a Bíblia, acreditava em Deus, mas não era religioso. Apenas no dia da Epifania comparecia à Missa.
Época de prova, era com ele mesmo que eu (como meus filhos mais tarde), tirávamos dúvidas de História, Geografia, Conhecimentos Gerais e até Matemática.
A paciência era enorme, e o sossego também. Não tinha pressa, dirigia MUITO devagar, não foi bom motorista. Era de pouca conversa e de poucos amigos. Não curtia viagens nem festas. Chegou a tentar um baralho, por insistência dos vizinhos, mas foi um fracasso; dormia na mesa, descartava a carta da canastra. Foi dispensado, para sua satisfação. Sempre gostou de dormir cedo e madrugava.
Foi muito caseiro. Quando alguém dizia que adorava uma "beira de rio", ele retrucava: "adoro a beira de casa".
Foi um garoto sofrido, ficou órfão aos 9 anos, era o mais velho de quatro irmãos. "Recordar é sofrer duas vezes", dizia quando alguém perguntava sobre sua infância. Quem contava as mazelas eram meus tios. Chorei muito ao ouvir as histórias. Ele não lamentava nada e fez-se completamente sozinho. Teve uma família dispersa, sem amor e sem união. Viveram separados, e com pouco contato.
Entrou para o Exército com 18 anos. Foi um militar diferente, não sei explicar, mas foi diferente.
Assim que casou-se com minha mãe, foi transferido para o interior, e aqui viveu. Quando faleceu, completariam 51 anos de casados. Foram felizes.
Amou demais essa filha (única), chegou a sufocá-la, confesso, tentando impedir qualquer sofrimento (crescimento).
De repente, um milagre: quando resolvi prestar vestibular fora da nossa cidade, deu o maior apoio. "Passei, pai, meu nome tá na lista!" Sei que sofreu muito com a nossa separação pela distância, mas nunca demonstrou. Sempre firme e me insentivando nos momentos de fraqueza. Foi o presente que faltava: na sua sabedoria, sentiu que o momento havia chegado, a filhinha precisava crescer, aprender "a se virar".
Eu não sabia fazer nada. Nada? NADA. Nem nadar.
Aprendi a arrumar cama, casa, a cozinhar e lavar/passar (nesse último fiquei de segunda época, exame e fui reprovada. Até hoje não fui aprovada).
Também aprendi a nadar (natação era uma das modalidades exigidas na disciplina de Educação Física!).
Os netos foram sua paixão. Não disse um "não", e fez estrupulias inesquecíveis (ex: subiu no telhado com os dois menores, 2 e 5 anos, e depois para descer foi preciso mobilizar várias pessoas, e quando perguntei, depois de todo o sufoco (e o perigo) que foi a descida :"Pai, por que o sr. fez isso?????" " Eles pediram, e vc sabe que eu não sei dizer não...").
Sim, eu sabia muito bem, e como sabia! Cada pequeno feito meu foi uma grande glória para ele.
Deve haver, em algum lugar distante (pouquíssimos) pais como ele, mas avô igual, desconheço.
Nunca disse "Pai, eu te amo muito!", mas sei que ele viu e sentiu esse amor! Parabéns, paizinho!

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Pensando nos filhos...

Sempre que faço minha caminhada sozinha, converso muito com Deus.
Agradeço, peço, rezo. Quando sei que alguém não está bem, é nesse momento que procuro focá-lo, fazendo orações e pensando positivamente. Pensei em amigos que estão enfrentando momentos complicados...
Chego a passar por antipática ou desligada, porque não vejo as pessoas.
É um hábito de mais de 20 anos, que cultivo com amor e prazer, por isso adoro caminhar só.
Vou percebendo os presentes que Ele envia, e sentindo a presença e o conforto que isso provoca.
Hoje, ganhei uma revoada de patos, dizendo bom dia à natureza e nadando felizes.
Fui tomada por uma nostalgia..., e meus filhos chegaram à minha lembrança. Emocionei-me com tantas coisas...
Pensei nas zilhões de vezes que respondi à pergunta: "quantos filhos você tem?"
"Tres. Dois meninos e uma menina. Uma filha e dois filhos. Tres crianças. Tres adolescentes. Tres adultos. Tres bençãos."
Amo. Amo. Amo. Cada um com um temperamento e uma característica. Tão iguais e tão diferentes. Inteligência, sagacidade, timidez, peraltice...
Recordei as viagens deliciosas de quando "eram pequenos";
a falta que senti quando parei de amamentar,
quando não cabiam mais no colo,
quando não vinham pedir mais para dormir na nossa cama, dizendo:"só hoje mamãe, tô com medo!';
ou quando pediam: "conta mais uma história, mamãe, o sono não chegou ainda...";
qdo foram pela primeira vez na "Florestinha" e quando saíram dela;
quando a bagunça era tanta que eu acabava "achando Herodes natural", como diz a canção;
quando passou aquela correria do "leva e traz", que cheguei a pensar que não teria fim;
competições;
festas, etc, etc...
enfim, retrospectiva "filharal !"
Acertei e errei. Fiz o que achava ser o melhor e o que me foi possível fazer. Penso que acertei muito mais que errei, e fiquei com a sensação deliciosa que "meus filhos são os melhores do mundo!!!"



domingo, 24 de maio de 2009

Realidade Registrada

-Viena é soberba, não tem palavra melhor para descrevê-la.
Como diz minha filha, "não dá para acreditar que essa cidade é "de verdade"! "
-Tivemos a honra de assistir (presenciar, comparecer, testemunhar...) três espetáculos inesquecíveis: um concerto de Mozart, um balé (Romeu e Julieta) na Ópera de Viena, um local fascinante , e um concerto sacro na Catedral de Notre Dame em Paris. Foram três sonhos concretizados! Merecem posts individuais.
-Os vienenses falam muito baixo, impressionante, quase só cochicham!
-Fumam demais, em qualquer lugar, não há local reservado para não fumantes. Percebi que as mulheres fumam tanto ou mais que os homens, e não há discriminação de idade.
-Penso que só pode ser culpa da globalização: os jovens e os não tão jovens não se preocupam muito com a limpeza ou conservação do metrô ou das ruas e avenidas; não constantemente, mas jogam em qualquer lugar as tampas de garrafas, latas de refri, papéis, sem a menor cerimônia.
-As descargas dos banheiros apresentam dois botões: um para o número 1 e outro para o número 2. Como economia de água, muito dez!
-O funcionamento do metrô é excelente, só que como já observei, não são tão limpos.
-O serviço bancário deixa a desejar. O nosso é muito mais eficiente.
-Bratislava, capital da Eslováquia, foi a cidade mais limpa que conheci. As ruas são inacreditáveis, os cafés, restaurantes e banheiros também. Ficamos apaixonados pela cidade, que já faz parte do MCE, desenvolveu-se muito nos últimos 40 anos e exageradamente nos últimos 10; os preços das bebidas e comidas são muito inferiores aos das outras cidades. Tem uma vida noturna agitada e "é uma Veneza sem água", palavras do maridão. Chegamos à cidade via barco, pelo Rio Danúbio. Deslumbrante. Estava muito frio e chovendo, mas aos poucos o Sol foi dando seu ar da graça, e nos surpreendemos com a simpatia e alegria da cidade.
-Veneza e Paris também vão ganhar posts exclusivos!
Arrivederci!

sábado, 23 de maio de 2009

Viena..Veneza..Budapest..Bratislava..Paris

Estava doida para reler, rapidinho, Budapest do Chico. Pensei que já estivesse em cartaz, mas errei. Estou com saudade de cinema, acho que nunca fiquei mais de uma semana sem marcar presença. Hoje vou ver "Divã" ou "Anjos e Demônios", aquele que combinar com meu horário!
Duas frases do livro que me chamaram muito a atenção:
"...aumentei o volume, mas a locução era em húngaro, única língua do mundo que, segundo as más línguas, o diabo respeita."(verdade presenciada)
"...diferente do amor, que extravasa a toda hora, a amizade precisa ter seus diques."( isso é muito Chico, demais!)
Li o livro em 2003, e conheci Budapest agora. Budapest é a junção de duas cidades, Buda (com cadeias montanhosas) e Peste (plana) e mais o Rio Danúbio que divide as duas. É uma cidade pré-histórica (não me lembro se conservo ou não o hífen!), que sofreu com guerras, massacres e destruições, e apesar de ter sido reduzida a escombros várias vezes, sempre teve forças p/ renascer. Ela não faz parte do MCE, tem a sua moeda, e a classifquei como prima em segundo grau de Viena. Porque sim. Recebemos dois mapas-guias (olha o hífen novamente!), um diurno e outro noturno. À noite, a cidade ferve, e durante o dia é um agito bom; gostei da culinária local e a língua é mesmo como disse o Chico; um exagero de acento ortográfico, existem outras letras que não fazem parte do nosso alfabeto e por conta disso tudo a comunicação não é nada fácil.
Um momento ótimo para ser relembrado: estávamos quase perdendo nosso ônibus para voltar à Viena, e eu pedia informação sobre nosso ponto, dizendo como a guia me havia ensinado: "Se vocês se perderem, diga, Please, Platz Elizabeth!", que algúem te ensina o caminho. Eu falava com calma, com voz forte, com raiva, e nada, ninguém me entendia. Parecia que eu havia caído de um disco voador, as pessoas me olhavam e só faziam o sinal de não sei com a cabeça...Foi hilário, sim, mas só depois que sentamos no ônibus com 2 minutos de "adiantamento"; o ônibus partia às 17:15 e sentamos no nosso banco às 17:13...
Se meu marido não estivesse com o mapa, e apontasse o local com o dedo, teríamos "perdido a condução", "comprado um pernoite (ou per-noite????) em Buda, ou Pest?" e "deixado nossa filha completamente descabelada!"
Budapest, tive muito prazer em conhecê-la!
Por que iniciei minhas observações falando de Budapest?????
I don´t know, uow uow uow...

sexta-feira, 22 de maio de 2009

"Estou voltando pra casa!"

Férias deliciosas, posso afirmar sem medo! Sabe quando tudo dá certo? Amei, ou melhor, amamos!!! Foi demais, e cheguei com a corda toda. Vou despejar minhas alegrias, observações e façanhas. Assim que o tempo deixar...mas como? Ah, lembrei, quem faz o tempo sou eu, pois "tempo é questão de prioridade", então tá, primeiro dessarumar as malas...Mas estou c/ muita vontade de dividir, que já já eu começo!

sábado, 25 de abril de 2009

Que Deus te abençoe, filha querida!!!!!

Quando li a frase "a boa mãe é aquela que, com o passar do tempo, vai se tornando desnecessária", minha alma assustou-se!!!!
Mas aí pensei: não foi isso o que sempre desejei ? Que meus filhos caminhassem com as próprias pernas? Que fossem livres, responsáveis, donos dos seus próprios narizes? Que conseguissem fazer escolhas conscientes, que fossem cidadãos do mundo, respeitáveis, dignos e independentes?
Sim, esses sempre foram meus desejos, e hoje refleti muito sobre sua vida, minha filha, e percebi uma ponta de orgulho em mim e em seu pai. Falamos muito de você, e relembramos de muitas passagens deliciosas! E foram tantas, mas tantas, que não choramos de saudade, choramos de alegria! É uma delícia saber que você está galgando o que sempre desejou!
Voce se lembra, quando aos 14 anos, você chegou e disse: "quero fazer Intercâmbio!"?
Seu pai e eu ficamos mudos, mas percebemos e confabulamos que você conseguiria. Não mexemos uma palha, achávamos voce uma criança, "ah...isso é fogo de palha", e voce, bem quietinha e muito esperta, foi investigar como viver esse primeiro sonho.
Na primeira reunião de Intercambiários do Rotary que vc descobriu, já se informou de todos os detalhes; não era na nossa cidade, dissemos que logo teria uma aqui, voce não se convenceu; ligou para o querido amigo Toninho Assaf, que iria levar a filha para a tal reunião, pediu uma carona, e foi. Assim que voces retornaram ele nos disse: "minha filha não sei se vai, mas a Pat com certeza irá. Era a mais "perguntadeira da reunião".
Daí em diante, voce conseguiu nos envolver no seu sonho, e ele se realizou em pouco mais de um ano. Aí veio nossa primeira separação. Foi difícil para nós, muito difícil; mas foi o início da aprendizagem da "poesia do Arqueiro " de Gilbran Kahlil:
"Os filhos de voces não são seus filhos:
são os filhos e filhas da própria força da Vida.
Nascem por meio de voces, mas não são de voces.
Moram com voces e todavia não lhes pertencem.
Podem dar-lhes o seu amor,
mas não a idéia de voces,
pois eles têm as próprias idéias.
...Voces são o arco de onde, qual flechas vivas,
seus filhos são lançados para frente.
...Deixem se esticarem com alegria
nas mãos do Arqueiro,
pois Ele ama com igual medida
tanto as flechas que voam
quanto o arco que permanece firme."
Para mim e para seu pai, fica a certeza de nos considerarmos "desnecessários" e conscientes de que voces são também filhos da Vida; mas também com a convicção de que você e seus irmãos sabem, que estamos aqui, inteirinhos para voces! Estamos sempre de coração aberto, para acolher os momentos felizes e também os não tão felizes.
O amor é um processo de libertação permanente, e vai se transformando em cada fase da vida.
Parabéns por ser assim. Parabéns pelas conquistas.
Muitas felicidades e muitos, mas muitos anos de Vida!!!!!

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Susan Boyle

"Sonhar pede coragem, resistência e seriedade", frase de C. Calligaris, na Folha.
Acredito que quase todos que acessam a Internet já viram o vídeo da Susan, e se emocionaram, alguns mais e outros menos. Eu sou da turma que se emocionou demais! E minha nora também, me ligou dizendo que estava emocionadíssima!
Hoje Renato Machado também estava. Meu marido, que assistiu no Bom dia Brasil, chegou às lágrimas. Penso que todos que têm sonhos e desejos se emocionaram quando a viram!
A humildade, coragem, simplicidade e seriedade da Susan são ímpares. E são pessoas como essa que nos fazem continuar vendo todo o sentido que a vida tem. Queria poder dizer: "Obrigada Susan, você conseguiu acender muitos sonhos apagados e mostrou que não é tão difícil dar um passo um pouco mais arrojado; me deu ânimo para enfrentar mais um dia com coragem e muita alegria!"
Vejam ou revejam a Susan Boyle no site http://www.youtube.com/ .

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Niver da mamma!

Bem, hoje comuniquei meus filhos e nora, porque o genro ficou sabendo antes da hora, e começarei a avisar aos amigos sobre a "coragem" de iniciar o blog!!!!! Ainda estou receosa, e percebo que com um pouco de medo, mas vamos lá!!!!!
Está até parecendo uma gestação, mas penso que é isso mesmo, fui preparando devagar, e estou com mil idéias, mas quando sento aqui, ainda fico receosa. Mas vai passar, e vai ser muito bom escrever quando quiser! Hoje estou emocionada e impulsionada, é aniversário de minha mamma!
Que Deus a abençoe e lhe dê muita saúde e muitos anos de "chopps"!!!!!
Querida Carmen, lógico que chorei quando li seu comentário!!!! Quer saber mesmo quando tempo faz a nossa amizade????? 46 anos!!!!! Foi no segundo ano primário!!!! Mamma mia! É tempo que não acaba mais,é tempo que nunca acabará, é amizade que só pode fortalecer e permanecer forever!!!! Te adoro!!!!
A Vera, uma outra amiga querida, esses dias me lembrou que "longe é um lugar que não existe", e é verdade!!!!
Tem coisa melhor que amizade?????

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Arquivo

Estou ainda em fase de adaptação com o blog. Ontem foi a tarde toda para escolher o modelo, a cor e tudo mais. Acho que também estava ansiosa pela chegada e aprovação do blog pelo maridão. E pela filha blogueira também. Mas percebi que tenho um lugar para escrever e arquivar minhas palavras, e me senti feliz. Escrevo algumas coisas de vez em quando, mas já perdi muitas também, pq não arquivava.
Adoro crônicas, Cony, Calligaris, Danusa, Lya, Diogo, Dimenstein e tantos outros que considero meus amigos. Vou refletir com eles com mais facilidade.
Vou escrever sobre tantas coisitas...Será muito bom!

terça-feira, 21 de abril de 2009

O primeiro post

Hoje, 21 de abril de 2009, acordei decidida a fazer uma coisa: vou começar a escrever meu blog. Será que é assim que se fala? Escrever meu blog? Vou perguntar para minha filha, que já é uma hiper blogueira, sem falsa modéstia, uma excelente escritora de blog e quiçá, de um livro. Ela está se revelando. Mas essa história fica p/ outro dia. Hoje quero me apresentar.
Resolvi escrever por influência dela e de Cristiana Guerra, autora de "para Francisco”. Também falarei disso amanhã, talvez. Sou aquariana modelo (sabe quando a gente lê as características do signo? Tenho todas!), apesar de não curtir horóscopo. É, eu sei, não dá p/ entender, mas quem me acompanhar irá me entendendo um pouquinho de cada vez...
Sou psicóloga recém formada, e fisioterapeuta há 33 anos. Mas sou mesmo uma mulher apaixonada pelo marido (que por sinal está na Ilha há 4 dias, com meu filho caçula e alguns amigos, e eu aqui morrendo de saudades... ainda bem que chega hj!!!!), pelos filhos, pela mãe, pelos agregados (família), pelos amigos e PELA VIDA!!!!
Bem, 5.4 de idade no registro de nascimento (acho chic falar assim!), mas na verdade devo ter bem menos! Graças a Deus sou uma mulher que acha a vida uma paixão e uma delícia, com seus altos e baixos e com suas confusões e surpresas. Sou casada há 32 anos, e completo esse ano 40 anos de namoro e de apaixonamento! E vou comemorar como manda o figurino, se Deus quiser!
Agradeço muito a Deus, uma característica também marcante de minha vida!
Tenho 1 filha casada, 1 filho casado e um filho solteiro.
Quero esse espaço para refletir as delícias de ser mulher e dividir sentimentos, pensamentos e reflexões.

Livros, meu relax n. 1:2016,2015,2014,2013, 2012, 2011, 2010 , 2009

  • Vivências de um psicanalista
  • Um sentido para a vida
  • Sobre a amizade e outros diálogos
  • Segredos e atalhos do iPad - 2011
  • Quase tudo
  • Putz, virei minha mãe!
  • Purgatório
  • Psicanálise dos Milagres de Cristo - 2011
  • Poemas completos de Alberto Caieiro
  • Pense Magro
  • Pensar é transgredir
  • Os catadores de conchas
  • O show do eu
  • O mundo pós-aniversário
  • O monge e o executivo
  • O menino do pijama listrado
  • O livro das ignorãças
  • O livro da sabedoria
  • O estrangeiro
  • O caçador de pipas
  • O brincar e a realidade
  • No divã do Gikovate
  • Niketche - 2011
  • Nietzsche para estressados - 2011
  • Na presença do sentido
  • Millenium
  • Mentes Perigosas
  • Memórias das minhas putas tristes
  • Me larga!
  • Marley e eu
  • Mamãe, posso namorar pelado?
  • Mamãe e o sentido da vida - 2011
  • Longe daqui
  • Leite derramado
  • Ilha Deserta - Livros
  • Ilha Deserta - Filmes
  • Histórias das minhas putas tristes
  • Hamlet
  • Freud - Vol.XIV - 2011
  • Freud - Vol. XXIII
  • Freud - Vol. XXII - 2011
  • Freud - Vol. XXI
  • Freud - Vol. XVIII - 2011
  • Freud - Vol. XVII
  • Freud - Vol. XIX - 2011
  • Freud - Vol. XII
  • Freud - Vol. XI
  • Freud - Vol. VII
  • Freud - Vol. V - 2012
  • Freud - Vol. IX
  • Fora de mim - 2011
  • Família de alta perfomance
  • Fadas no divã, Diana L. Corso e Mario Corso
  • Fadas no divã
  • Eu sei que vou te amar
  • Enquanto o amor não vem
  • Doidas e santas
  • Divã
  • De frente para o Sol - 2011
  • Crime e castigo
  • Conversas sobre terapia
  • Contra um mundo melhor -2011
  • Comer,rezar,amar
  • Cartas a um jovem poeta
  • Caim
  • As pequenas memórias
  • As intermitências da morte
  • Amor é prosa, sexo é poesia
  • Alter Ego
  • Agape - 2011
  • Aforismos - 2011
  • A trama do equilibrio psiquico
  • A sabedoria dos mitos gregos - Aprender a Viver II - 2011
  • A sabedoria da vida
  • A idade dos milagres
  • A história de Edgard Sawtelle
  • A doçura do mundo - 2011
  • A cidade do sol
  • A Cabana
  • 2016-Verdades e Mentiras, Cortella, Dimenstein, Karnal e Pondé
  • 2016-Pressentimentos e suspeitas, Ivo Storniolo
  • 2016-O poder do discurso materno, Laura Gutman
  • 2016-O oitavo selo, Heloisa Seixas
  • 2016-O ano do pensamento mágico, Joan Didion
  • 2016-Mulheres de cinza, Mia Couto
  • 2016-Freud, obras completas, vol. 18
  • 2016-Felicidade ou Morte, Clovis de Barros Filho e Karnal
  • 2016-Enclausurado, Mc Ewan
  • 2016-Dias de abandono, Elena Ferrante
  • 2016-Depois a louca sou eu, Tati Bernardes
  • 2016-Como eu era antes de você, Jojo Moyes
  • 2016-Ah, que bom que eu sei, Brugitte Gross e Jakob Scheneider
  • 2016-A Peste, Albert Camus
  • 2016-A noite do meu bem, Ruy Castro
  • 2016-A felicidade é fácil , Edney Silvestre, Segunda Leitura
  • 2016-A árvore familiar, Denny Johnson
  • 2016-A alma imoral, Nilton Bonder
  • 2016- O livro dos insultos, H.L. Mencken
  • 2015-Tomar a vida nas próprias mãos , Gudrun Burkhard
  • 2015-Pimentas, Rubem Alves
  • 2015-Pequeno tratado das grandes virtudes - André Comte-Sponville
  • 2015-Pai rico pai pobre - Robert T. Kiyosaki
  • 2015-Os amigos, Hamlet L. Quintana
  • 2015-Onde foi que eu acertei? Francisco Daudt
  • 2015-O sol é para todos", Harper Lee
  • 2015-O que a vida me ensinou, Mario Cortella
  • 2015-O incolor Takurukami..., Haruki Murakami
  • 2015-O brilho do bronze, Boris Fausto
  • 2015-Numero Zero, Umberto Eco
  • 2015-Na berma de nenhuma estrada, Mia Couto
  • 2015-Interpretação e manejo na Clínica Wiicottiana, Ela O. Dias
  • 2015-Dom Quixote, Miguel de Cervantes
  • 2015-Diga aos lobos que estou em casa, Carol R. Brunt
  • 2015-Criaturas de um dia, Irvin Yalom
  • 2015-Como envelhecer, Anne Karpf
  • 2015-As pequenas virtudes, Natalia Ginzburg
  • 2015-A visita cruel do tempo, Jennifer Egan
  • 2015-A mágica da arrumação , Marie Kondo
  • 2015-A grande arrete de ser feliz, Rubem Alves
  • 2015-A filosofia de Rudolf Steiner e a crise dompensamento contemporâneo, Andrew Welburn
  • 2015- Pensar bem nos faz bem, M. S. Cortella
  • 2015- Nao nascemos prontos, M. S. Cortella
  • 2014-Uns cheios, outros em vão, Heloísa Seixas
  • 2014-Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra, Mia Couto
  • 2014-Totem e Tabu, S. Freud
  • 2014-Textos de Winnicott
  • 2014-Textos de Pichon Riviere
  • 2014-Textos de Grupos, uma visáo psicanalítica
  • 2014-Textos de Bion
  • 2014-O segredo do meu marido, L . Moriestay
  • 2014-O retrato de Dorian Gray, Oscar Wilde
  • 2014-O nome próprio, Francisco Martins
  • 2014-O fotógrafo, Cristóvão Tezza
  • 2014-Fim, Fernanda Torres
  • 2014-Ensaio sobre a mentira, José Outeiral
  • 2014-Do universo à jabuticaba, Rubem Alves
  • 2014-Conhece-te a ti mesmo, José Outeiral
  • 2014-Adultescer, J. Outeiral
  • 2014-A revolta do corpo, Alice Miller
  • 2014-A festa da insignificância, Milan Kundera
  • 2014-A Ciranda das Mulheres Sábias, Clarissa P. Estés
  • 2014-1Q84, Vol. IIIHaruki Murakami
  • 2013 - Voce já pensou em escrever um livro?
  • 2013 - Subliminar
  • 2013 - Sr. Psicólogo, diga-me como ser feliz
  • 2013 - Por que você é minha - I
  • 2013 - Por que você é minha - II
  • 2013 - Por favor, cuide da mamãe
  • 2013 - Os quatro vínculos
  • 2013 - O Rabino e o Psicanalista
  • 2013 - O psicanalista vai ao cinema
  • 2013 - O oceano no fim do caminho
  • 2013 - O fio das missangas
  • 2013 - Nu, de botas.
  • 2013 - Inferno
  • 2013 - Filosofando no Cinema
  • 2013 - Elogio da mentira
  • 2013 - A vida que vale a pena ser vivida
  • 2013 - A graça da coisa
  • 2013 - A arte de amar
  • 2013 - 1Q84 Vol. II
  • 2013 - 1Q84
  • 2012 - Se eu fechar meus olhos agora
  • 2012 - Rimas de Vida e de Morte
  • 2012 - Profissão: Bebê
  • 2012 - Os sentidos da vida
  • 2012 - O retorno do jovem príncipe
  • 2012 - O clube do filme
  • 2012 - O amor companheiro
  • 2012 - Mulher Desiludida
  • 2012 - Fragmentos Clínicos de Psicanálise
  • 2012 - Feliz por nada
  • 2012 - É tudo tão simples
  • 2012 - Depressão:dos sintomas ao tratamento
  • 2012 - Como manter a mente sã
  • 2012 - Como deixar de ser gordo
  • 2012 - Como amar uma criança
  • 2012 - A queda
  • 2012 - A poesia do encontro
  • 2012 - A felicidade é fácil
  • 2012 - A elegância do ouriço
  • 2012 - A criação, segundo Freud