Páginas

Seguidores

Marcadores

Amigas (9) Blogando... (3) Brasil (4) Cidade (1) Citaçáo (1) DVDs (1) Enquete (1) Família (4) Felipe (2) Férias (1) Festas (4) Filhos (13) Filme (3) Filmes (2) Filosofando (10) Livros (27) Mãe (8) Mulher (7) Música (5) Pai (5) Pausa... (1) Pedro (20) Pensamento (2) Pensando... (21) Piada (2) Poesia (2) Política (9) Refletindo... (40) Tina (1) Viagem (11) Vovó (4)

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Inspiração de Ano Novo!

"Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.
Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão.
Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos.
Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente."

Carlos Drummond de Andrade 
 
 

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Feliz Natal e Bom 2012!

"Só existem dois dias no ano em que nada pode ser feito.
Um se chama ontem e o outro amanhã, portanto,
hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e, principalmente,
VIVER!"
                                                            ( Dalai Lama)

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

A Pele que Habito e outros filmes...

Melhor filme de Almodovar, e atuação fantástica do Bandeiras. Filme de tirar o fôlego, surpreendente! Entramos no cinema sem saber nada sobre o filme. Eu e meu genro. O suspense nos pegou desprevinidos, mas assim que é bom, e esse filme, em especial, faz toda diferença não saber nada sobre ele.
Assisti pela segunda vez com o marido, e agora foram os detalhes que me surpreenderam; assisti com outros olhos, já que o suspense era conhecido; prá mim, melhor filme do ano!
Calligaris fala dele na Folha de hoje e quem já assistiu deveria conferir. Uma única frase para registro: "A Pele que Habito é também mais uma parábola do amor, pois é banal que o amor nos leve a querer transformar parceiros e parceiras de forma que eles correspondam a nossas expectativas; o projeto de moldar o outro transforma qualquer convívio numa violência." Resumiu com maestria.
Minhas Tardes com Marguerite: Filme delicioso, tranquilo.
Palhaço: nostálgico, singelo.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Estoque de esperança!

Se tem uma coisa que tenho prá dar e vender, é esperança.
Graças a Deus, tenho convicção disso, e também orgulho. O meu mundo pode estar de cabeça virada, eu com a cabeça prá baixo acompanhando o caos, logo que o prumo reacontece, eu reajo, vejo o que dá prá ser feito, e  a esperança fala alto: "já vai melhorar!"
Apesar desse faz-de-conta que eu governo, da presidente Dilma, dessa dificuldade de tomar uma atitude perante esses ministros de meia-tigela antes que a imprensa a desmoralize totalmente, dessa roubalheira escancarada dos políticos, dessa falta de educação e de saúde, eu tenho esperança que um dia tudo se transformará (?!). Sou uma indignada esperançosa.
Hoje o Hino Nacional entoado pelos policiais na favela da Rocinha, esperançou minha alma e meu coração! Assisti na esteira, logo cedo no Bom Dia Brasil e as lágrimas não me obedeceram, escorreram livremente.
Fiquei com a aquela cena na mente o dia todo, e quando lí a matéria detalhada no Jornal, e que os moradores estão com medo de que o Estado não vai lhes proporcionar  "tudo aquilo" que o Nem lhes oferecia, um nó na garganta se formou, e novamente as lágrimas vieram. Fiquei sentida, estupefata, arrasada, e sei lá mais o quê.
E a esperança??? Cadê a esperança??? Está voltando...está chegando...Amanhã é dia da Proclamação da República, um dia para se ter mais um pouco de esperança...

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

11/11/11

Aproveitando essa data tão mística, lembrei-me que JESUS CRISTO também se escreve com 11 letras, e como agora são 11hs (coincidência?), agradeço a Ele por todas as bênçãos derramadas sobre mim, sobre minha família e sobre todos os meus amigos, presenciais e virtuais!
Paz no mundo, menos sofrimento, menos baixaria política no Brasil e no Mundo...
Mais amor, mais solidariedade, mais saúde, mais responsabilidade, mais respeito, mais educação...

sábado, 5 de novembro de 2011

Estávamos com jeito de adolescentes...

..mas éramos um casal de avós vindo de Saõ Paulo com o fofíssimo neto no carro!
A felicidade era tanta que estava na cara que era a primeira vez: a primeira vez que ficávamos com ele sem a mamáe e o papai por perto, a estreia do Pedro com o vovô e a vovó, uma nova forma de convivência de alguns dias!
Meu Deus, quanta responsabilidade! Com jeitinho de arte bem feita, estávamos os dois em êxtase: "mas vamos caprichar, não vamos tirá-ló do rítmo, e tentar fazer tudo como eles pediram!"
E assim aconteceu; enquanto o Pedro foi a nossa delícia, os papais aproveitaram (apesar da saudade), as suas merecidas pequenas ferias, cinco dias, quatro noites!
Prá mim esta sendo uma semana de pura magia, pois vim trazer o garoto e fiquei, volto só no Domingo!
São de pequenos momentos felizes que montamos nossa felicidade...

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

"Não- lugares"

Refletindo em grupo um texto excelente (psicanalítico) sobre a "Infância Roubada", fiquei tentada a resumí-lo.
Os autores desenvolvem um pensamento sobre os "não-lugares", utilizando idéias de rapidez, transitoriedade, não pertinência, próprias desse novo termo.
Interessante pensar como a comunicação instantânea, transmitida o tempo todo pela mídia e publicidade, cria  novas formas de desejo a serem satisfeitas pelos filhos e pelos pais.
Marc Augé define" não-lugares", os lugares mais habitados na sociedade pós-moderna, os lugares de trânsito, de passagem, de pouco investimento afetivo, como  as ruas, os shoppings, os aeroportos, os hotéis, etc, onde a vida transcorre sem que haja um sentimento de pertencer, de pertinência.
A casa, a cidade, a pátria sempre foram nossos lugares investidos de sentido, de amor e de afeto. Hoje constatamos o sentimento de solidão que impregna a sociedade contemporânea. É um sentimento que se configura exatamente pela impossibidade de construir laços afetivos.
A infância hoje é prejudicada pela falta do tempo mágico, das fantasias, dos "faz-de-conta", pois o futuro atravessa a imaginação dos adultos. Os pais dos pequenos  pensam no sucesso dos filhos lá na vida adulta, incentivando desde cedo a competição, a aparência, etc.
 Criança não tem tempo de ser criança, "precisa pensar no futuro", precisa com 2 anos  "estudar na melhor escola", vestir "marcas", serem acima da média em alguma coisa.
Estamos dando espaço e tempo para o desenvolvimento da crianças? Meninas com 8 anos frequentando salões de beleza?  Meninos (as) de 5 anos escolhendo iPad, celulares? Todos vivendo uma antecipação da problemática adolescência, com angústias infinitas, sem "lugar" para suportar.
Pulam da infância para a adolescência queimando etapas. As fantasias com as fadas, bruxas, príncipes e princesas são trocadas pelos ideais de consumo, pela beleza, pelo sucesso.
Paro minha reflexão por aqui. ( Autores do texto: Myrna P. Favilli, Bernardo Tanis, M. Celina P.S.A.Mello)
A infância é um tempo de treino para o viver, e que tende a se esgarçar nos tempos modernos.(a frase foi copiada do texto)

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Tina Brown

Há 16 anos, resolvi atender um pedido insistente dos 3 filhos: arrumar uma cachorra; reinava uma  grande euforia entre os  irmãos, e durante o percurso para buscá-la, houve uma "conversa séria", sobre quem faria isso e aquilo, sobre banho, saídas, ração...  Logicamente todos concordaram com suas tarefas e fomos a um canil indicado por amigos.
Chegando lá, vimos uma cachorrinha bonitinha, pretinha, e ficamos pensando que seria ela a escolhida, mas nisso apareceu a marronzinha que veio correndo até nós, e o dono do canil, com voz anasalada sentenciou: "essa é mais fortinha, e também é a mais dócil da ninhada."
Lembro-me como se fosse hoje, nos entreolhamos e nem foi preciso uma palavra: ela veio toda faceira, pois já tinha nos escolhido.
Os primeiros dias foram difíceis, pois ela chorava a noite, e não queria ficar no local estipulado por mim; Patrícia a buscava, colocava-a em sua cama nos primeiros dias (eu fingia que não via),  depois na caminha própria mas continuava no  quarto dela, e quando passou uns 8 ou 10 dias, Tina aprendeu a dormir na área de serviço numa boa (com um relógio-despertador 'grudado' nela, o barulhinho do tic-tac a aconchegava!).
Durante o dia, ela ficava solta pela casa, e a noite eu a prendia. Renato e Eduardo brincavam e a instigavam o dia todo, não queriam um cachorra "mole e sem graça". Aprendeu rapidamente a fazer suas necessidades no jornal, e assim a cachorrinha fortinha e não muito dócil conquistou a todos. Era a alegria da casa, com seu rosnar de "cachorra grande", e toda sua graça de duschen hound, a "salsicha" mais "musculosinha" que conheci!
Viajou algumas vezes com nossa família, aprontou muitas peraltices, comeu um bolo inteiro numa certa tarde em que deixei o bolo na mesa para esfriar, enfrentou e matou morcego,  fingiu de morta uma vez que uma Mastin, uma big cachorrona veio prá cima de nós duas, ela simplesmente se estatalou na rua, e sobraram os meus gritos ensurdecedores para afastar aquela ameaça de mordidas mortais!, e quando o perigo se afastou, olhou nos meus olhos, lambeu meu pé com satisfação e agradecimento, e me pareceu que até sorriu...Sempre serelepe, não ficava parada, as voltinhas diárias sobravam TODAS para a mamma aqui, e o isso e o aquilo também, mas confesso que apreciava.
Tinha preferência por alguns amigos, e naõ gostava de outros. Se eu ficava brava com ela, o olhar de ternura me desmanchava. Os filhos saíram de casa, foram estudar fora, e ela sempre do meu lado, me consolando e me ajudando a enfrentar a falta deles; às vezes confesso que eu me enchia dela, mas logo passava; sempre teve uma saúde de ferro, só visitou a veterinária anualmente, para tomar vacinas. Assim se passaram os 16 anos e alguns meses. Hoje ela deixou nossa casa e as lágrimas não param de rolar. Ela não morreu, mas não tem mais condições de viver aqui no apartamento. Foi uma decisão difícil e penosa, mas vai continuar  seus dias em um lugar aprazível; paro por aqui, para  dar passagem a muitas outras lágrimas que teimam em rolar...

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Norte da Europa - Mar Báltico

Embarcamos, no sentido literário da palavra, no Navio Poesia, MSC, em Copenhague, cidade classuda e austera.
Navegamos duas noites pelo tranquilo Mar Báltico, e a primeira cidade avistada foi Estocolmo. Essa sim causou-me um gostoso impacto: cidade linda, com 33.000 ilhas que desde a primeira vista, ainda no navio, cativou-me.
Seguindo a viagem, veio Tallin, antiga capital da  Estônia, cidade medieval maravilhosa, que ficará para sempre na minha memória.
Kiel e Lubeca, na Alemanha, foram surpreendentes. Para Lubeca fomos de trem: paisagem exuberante, diferente e a surpresa com tanta beleza.
Sao Petersburgo é um caso a parte: cidade fundada em 1703, é ousada e imponente. Foi construída com esforços titânicos; segundo a história, Pedro I, o Grande, contrariou a "velha Rússia", e conseguiu empolgar a geração que o apoiava com grande entusiasmo, construindo essa magnífica metrópole. Para muitos estrangeiros (alemães, suecos, ingleses, holandeses, franceses, italianos,etc,),  a cidade foi a segunda pátria, pois dedicaram seus talentos para a edificação e alí se estabeleceram para sempre.
Traz páginas funestas e trágicas nesses 300 e poucos anos de existência; apresenta enorme expressividade.
Uma última observação: é majestosa, e até consegue refletir alguma  suavidade com os canais do  Rio Nava.
O navio, como a própria propaganda diz, é "uma ode ao luxo". Navio elegante e classudo, mas que nos deixou muito a vontade, deliciando-nos com dias e noites inesquecíveis...

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

É melhor a viagem ou o retorno?

Adoro viajar, mas quando chego de volta à minha casa, fico também feliz demais!
E agradecida a Deus de todo meu coração, por ter me proporcionado esses deliciosos dias!
Lisboa é muito acolhedora: não sei se pela facilidade da lingua, pela ancestralidade, senti-me em casa. Cidade tranquila, fácil de se locomover, clima ameno, comida deliciosa, que mais eu queria?
Ah sim, um bom vinho e doces do outro mundo! Achei tudo isso e mais um pouco: um hotel excelente e um marido apaixonado...namoramos, rememoramos e fizemos novos planos!
Ponto final? Espera um pouco: exploramos a cidade e conhecemos Fátima, Sintra, Queluz, Cascais e Estoril!
Agora pronto? ...NÃO!!!
...Saímos dessa tranquilidade, embarcamos para Copenhagen,  nos encontramos com os irmãos do meu marido e mais 30 amigos, e  iniciamos um Cruzeiro maravilhoso, mas fica prá  logo mais...

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

"Outra vez??? NÃO!!!"

Estou saindo de férias com o maridão, os irmãos dele, e mais 30 pessoas!!!!!
Com essa turma vamos à Escandinávia!!!
Apenas com o marido, um giro por Portugal, que também não conhecemos!
Estou animadíssima, um pouco ansiosa, atrasadíssima com a arrumação da mala, e da mamma ouvi o que está aí no título...ela fica muito tensa, triste, desprotegida, etc e tal! Sinto um frio na barriga, só conto sobre a viagem poucos dias antes da data, mas é sempre estressante, sempre. São os percalços de ser filha única, estado que defendo que deveria ser proibido, e que atualmente está tão em voga!
Que Deus nos acompanhe e nos proteja, e abençoe a  todos!

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Forno auto-limpante!

Se existir uma lorota maior que essa, eu definitivamente não conheço!
Bem, pensando um pouco, tem algumas coisas esdrúxulas sim, como aqueles produtos que são vendidos para ginástica, o collant que emagrece, a escada que vira mesa, que talvez até empatem com os fornos, mas ganhar deles, não!
Forno auto-limpante! "Escuta essa"...
Hoje uma colega de academia, sem a mínima intimidade com a cozinha, e talvez até com uma  desavença mortal com esse cômodo da casa, contou que comprou um  mega fogão há 2 anos, e que tinha uma empregada excelente de forno-e-fogão, que não a deixava se aproximar do dito cujo; ontem foi o último dia de serviço da moça (por que será???).
 No Domingo minha colega resolveu fazer um bolo, coisa inédita na sua vida, e quando abriu o forno, quase desmaiou! Nunca viu nada mais sujo! Eu imaginei o estado pelas caretas que ela fez, e quase vomitei em cima dela!
Na Segunda, ficou esperando a moça chegar, e com muita "autoridade no caso", com as mãos na cintura, perguntou há quanto tempo ela não limpava aquele forno medonho! E a resposta sincera: "Olha,nunca limpei! Nunca! Lembra quando a senhora comprou e disse de boca-cheia que o forno era auto- limpante, e eu perguntei o que era isso, e a senhora respondeu que ele se limpava sozinho? Então...eu limpava tudo, menos ele! Faz tempo que eu tô com nojo dele, nem bolo e assados eu fazia mais, a senhora nem percebeu, né? Que coisa ...Eu ficava encafifada que ele não se limpava, mas ainda tinha uma esperança, mas então não vai mesmo? Nossa, que lorota boa contaram prá senhora, em? Coitada da senhora, acho que custou tão caro, ainda tá bem novo, a parte de cima tá ótima, porque eu "arío" beem mesmo, e agora vai ter que comprar outro, porque ninguém dá conta mais dele não, mas não esquece de avisar  lá na loja, que desse a senhora não quer mais, pode vir com o mesmo defeito..."

domingo, 31 de julho de 2011

A vida não foi feita para ser entendida...

...e sim, para ser vivida...
Nessa semana, uma amiga perdeu um netinho de 9 meses; fiquei muito comovida.
Sem a certeza de Deus na nossa vida, penso que uma mãe sucumbiria. "Só com Ele uma mãe pode suportar um abalo desse", disse uma outra amiga, que passou por isso há anos.
Ficamos nos questionando nas falas de sempre:  "por que comigo?,  isso não é possível!, cadê Deus que permitiu um fato desses?, eu não mereço!, ele era tão pequeno!," e tantas outras coisas. Não temos respostas concretas, e sem a confiança plena  em Deus, penso que  mãe nenhuma se reergueria.
Cada um com sua doutrina, mas acreditando Nele, continuaremos nossa caminhada até quando Ele permitir. Na sexta feira, houve uma Missa, não de sétimo dia, mas  de saudade e reflexão, como disse o Pe. Jarbas, um padre "sabido", com conhecimento, e facilidade de expressão. Fez uma anologia entre a morte e a vida, baseando-se no Evangelho que nos fala das posturas de Marta e Maria perante a visita de Jesus à casa delas. Uma querendo ficar sentada alí, aproveitando o momento gostoso do bate-papo, e a outra irritada porque "precisava" limpar a casa. Refletimos nesse ponto:
 E o que é importante nessa vida??? Quantas coisas passam pelas nossas cabeças: quantas coisas "importantes" ...E novamente a pergunta: O que é importante na minha vida?
 As pessoas. O tempo que "perdemos" com uma pessoa, ouvindo-a,  principalmente; quantas vezes não estamos a fim de ouvir um amigo, um filho, por termos "coisas importantes" por fazer. Sem falar desse mundo maluco e consumista que nos afasta de tudo  que não é sossegado,  como ouvir o que alguém tem para nos contar, num jogar-conversa-fora descompromissado, sem pressa. 
Tentar entender e enfrentar a vida com todos seus mistérios será "perda" de tempo? Por que o mundo virtual ganhou tanto espaço? Por que essa corrida louca atrás de não sei o quê? Por que querer tanto? Por que não se satisfazer nunca com o que se tem? Por que tanta ansiedade? Por que tanta pressa??? Qual a minha importância nessa vida? O que preciso ser ou saber para ter importância na vida? Quanto vale a minha vida?
Essa vida tão breve fez com que parássemos um pouco, e escutássemos o seu grande discurso...

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Pedro..."a primeira sobremesa da minha vida"!

Como é bom tirar a cabeça da vida e abandonar aos encantos de uma criança!
Nao, nao tem nada igual: olhar, absorver, sorrir, acompanhar e deixar-se levar pelas maos do Pedro...é o que estou fazendo (agora ele está nanando!): é a maior bênçao que eu poderia receber de Deus!
Tiro um ou dois dias e deixo a vida ir andando, os afazeres e os problemas  estao sim correndo atrás, but, nao dou licença para me alcançarem!
"Calma, estou vivendo outra coisa, neste momento estou vivendo para ver o meu neto passar!"
Estou assim! E vou fazer assim enquanto puder: pára tudo que eu quero ficar com o Pedro! 
Pronto, simples e fácil! Sem desculpas e sem culpas! Só alegria e prazer! Entrega e desprendimento!
Amor e amor!
("Vovó?Vovó?"...acordou..."Vovó?" ...) (Escusateme...Nao achei o "til"no computador da minha filha...)

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Bom exemplo X Mau exemplo

Como disse Lavoisier: na "natureza" nada se cria, tudo se transforma...e as atitudes e os compartamentos  permanecem. Jura?
Domingo passado, caminhando na Represa, deparei-me com um  grande evento, patrocinado por um Banco, com milhares de pessoas que faziam corrida e caminhada; crianças de 5 a 10 anos compareceram aos montes, acompanhadas dos pais, o que me deixou nostálgica, e ao mesmo tempo feliz, pois estava realmente bonito de se ver.
Em vários pontos do trajeto, começavam a ser distribuídos copos d'água, muito bem vindos, por sinal, pois estava quente prá chuchu (o tempo não tinha "virado" ainda)!
De repente, uma desagradável surpresa: assim que peguei meu copo, olho à frente, e vejo "um mar" de copos jogados na beira do caminho, e bem ao meu lado, um garoto que havia terminado de beber o seu,  pergunta ao pai se era correto jogar seu copo alí, "naquele local", e o pai responde: "Claro! Não estão todos jogando aí mesmo?" O garoto olha interrogativamente para o pai mais uma vez, e joga, e quando andamos poucos metros, enxergamos um lixo quase vazio; o menino rapidamente contesta: "Olha pai, o lixo tava bem aqui!" e o pai: "Tsah! Deixa de conversa, e anda mais rápido!"
Fiquei com vontade de dizer alguma coisa, mas não saiu. Por que? Não sei, embasbaquei. Meu coração se contraiu e meus filhos surgiram na minha memória com aqueles mesmos olhinhos atentos daquele garoto, "copiando" meus gestos, meu exemplo, etc e tal...

quinta-feira, 23 de junho de 2011

"Pai, começa o começo!"

Recebi esse texto de uma amiga, enviei para algumas pessoas, e todas me responderam muito emocionadas. Chorei quando lí, lembrei de meu pai "começando"  uma laranja, uma tangerina, descascando melancia, descascando castanhas portuguesas no Natal (delícia que eu adoro e em todos esses Natais que passei sem ele, assim que vou comer a primeira castanha, meus olhos marejam, pois a memória é gritante de perfeita), e tantos outros "começos" inesquecíveis...
Quando eu era criança e pegava uma tangerina para descascar, corria

para meu pai e pedia: - “Pai, começa o começo!”. O que eu queria era

que ele fizesse o primeiro rasgo na casca, o mais difícil e resistente

para as minhas pequenas mãos. Depois, sorridente, ele sempre acabava

descascando toda a fruta para mim. Mas, outras vezes, eu mesmo tirava

o restante da casca a partir daquele primeiro rasgo providencial que

ele havia feito.Meu pai faleceu há muito tempo (e há anos, muitos, aliás) não sou mais

criança. Mesmo assim, sinto grande desejo de tê-lo ainda ao meu lado

para, pelo menos, “começar o começo” de tantas cascas duras que

encontro pelo caminho. Hoje, minhas “tangerinas” são outras. Preciso

“descascar” as dificuldades do trabalho, os obstáculos dos

relacionamentos com amigos, os problemas no núcleo familiar, o esforço

diário que é a construção do casamento, os retoques e pinceladas de
sabedoria na imensa arte de viabilizar filhos realizados e felizes, ou
então, o enfrentamento sempre tão difícil de doenças, perdas, traumas,
separações, mortes, dificuldades financeiras e, até mesmo, as dúvidas
e conflitos que nos afligem diante de decisões e desafios.

Em certas ocasiões, minhas tangerinas transformam-se em enormes abacaxis......
Lembro-me, então, que a segurança de ser atendido pelo papai quando

lhe pedia para “começar o começo” era o que me dava a certeza que

conseguiria chegar até ao último pedacinho da casca e saborear a

fruta. O carinho e a atenção que eu recebia do meu pai me levaram a

pedir ajuda a Deus, meu Pai do Céu, que nunca morre e sempre está ao

meu lado. Meu pai terreno me ensinou que Deus, o Pai do Céu, é eterno

e que Seu amor é a garantia das nossas vitórias.


quinta-feira, 16 de junho de 2011

domingo, 5 de junho de 2011

Após míseros 5 meses, desilusão completa!

A minha torcida não foi falsa; apesar de não ter votado nela, moro nesse país e quero ver uma transformação, primeiramente na moral. 
Ledo engano, pois a falta de vergonha na cara dos políticos brasileiros parece ter tomado todas as esferas.
Desde os vereadores da minha cidade e o prefeito, até a esfera maior, desilusão completa!
E quanto a essa história de não poder corrigir os erros de concordância??? Meu Deus do Céu, onde iremos chegar??? 
Pensei há bem pouco que enxergava uma luz no fim do túnel desse imenso "brasilzão". O breu cobriu tudo de novo.Que pena...

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Com carinho:

      " Tenho amigas de todas  idades, de todas as cores, de muita conversa, de pouco/muito encontrar, algumas  todo dia, outras  uma vez ao ano,  virtuais (algumas que nem sei como são seus rostos "mas  que conheço desde pequena"), umas engraçadas, outras contidas, artistas, antenadas, distraídas, magrelas, "plastificadas", solteiras, viúvas, casadas, divorciadas, beatas, malucas ... e todas elas me fazem feliz e grata a Deus por poder contar com cada uma em situações distintas..."
Plagiei o Martinho (será que vai dar bode?), mas queria  homenagear minhas amigas, e me veio essa gostosa canção; imaginei todas juntas, chegando e  entrando em passos largos, lentos, num imenso palácio...e a emoção rolou, rolou e chorei e sorri e gargalhei...Meu Deus, como sou feliz!!! 
Amigas são bênçãos que Ele vai distribuindo por nossa  estrada, pelos dias, pelos anos, pela vida toda...
Diz a lenda que contamos os verdadeiros amigos nos dedos de uma única mão: será? Discordo. Plenamente.
Amo minhas amigas, aceito suas opinões e suas caracerísticas individuais; é, tá certo que com algumas tenho mais afinidades, mas tenho por todas uma afeição enorme, e sinto o mesmo do viés. Quando temos treta, esta se resolve. Quando pinta uma mágoa, logo vem a bonança. Quando discordamos, nos respeitamos...
E assim vou caminhando, ou melhor, vamos caminhando... e plagiando (de novo!) Vinícius: "o que seria de mim sem minhas amigas"???
Um beijo em cada uma...acompanhado de um grande, forte e delicioso abraço!

sábado, 21 de maio de 2011

Punta Cana e Panamá

Acabo de chegar de diazinhos deliciosos colada no maridão, praia encantadora, papos descontraídos com amigos, compritchas descompromissadas e recarregada de energia!
A surpresa com a cidade do Panamá, seu desenvolvimento estonteante, a presença de Deus em cada pedacinho da Natureza, e principalmente estampada descaradamente na beleza do mar do Caribe, me deixou emocionada e agradecida por "viver... e não ter a vergonha de ser feliz..."

sábado, 7 de maio de 2011

08/05/11

Penso que todo dia é dia mãe, do pai e dos filhos, but, nada melhor que compartilhar uma poesia deliciosa...

Antes de ser mãe eu fazia
e comia os alimentos ainda quentes

Eu não tinha roupas manchadas.
Eu tinha calmas conversas ao telefone.

Antes de ser mãe eu dormia
o quanto eu queria
e nunca me preocupava
com a hora de ir para a cama.
Eu não me esquecia de
escovar os cabelos e os dentes.

Antes de ser mãe eu limpava
minha casa todo dia.
Eu não tropeçava em brinquedos
nem pensava em canções de ninar.

Antes de ser mãe eu não me preocupava
se minhas plantas eram venenosas ou não.
Imunizações e vacinas eram
coisas em que eu não pensava.

Antes de ser mãe ninguém vomitou nem fez xixi em mim,
nem me beliscou sem nenhum cuidado,
com dedinhos de unhas finas.

Antes de ser mãe eu tinha
controle sobre a minha mente,
meus pensamentos, meu corpo e meus sentimentos.
... eu dormia a noite toda ...

Antes de ser mãe eu nunca tive
que segurar uma criança chorando
para que médicos pudessem
fazer testes ou aplicar injeções.
Eu nunca chorei olhando
pequeninos olhos que choravam.
Eu nunca fiquei gloriosamente feliz
com uma simples risadinha.
Eu nunca fiquei sentada horas
e horas olhando um bebê dormindo.
Antes de ser mãe eu nunca
segurei uma criança só por
não querer afastar meu corpo do dela.
Eu nunca senti meu coração se despedaçar
quando não pude estancar uma dor.
Eu nunca imaginei que uma
coisinha tão pequenina pudesse
mudar tanto a minha vida.
Eu nunca imaginei que pudesse
amar alguém tanto assim.
Eu não sabia que eu adoraria ser mãe.

Antes de ser mãe eu não conhecia a sensação
de ter meu coração fora do meu próprio corpo.
Eu não conhecia a felicidade de
alimentar um bebê faminto.
Eu não conhecia esse laço que
existe entre a mãe e a sua criança.
Eu não imaginava que algo tão pequenino pudesse
fazer-me sentir tão importante.

Antes de ser mãe eu nunca me
levantei à noite a cada 10 minutos
para me certificar de que tudo estava bem.

Nunca pude imaginar o calor,
a alegria, o amor, a dor
e a satisfação de ser uma mãe.

Eu não sabia que era capaz
de ter sentimentos tão fortes.

Por tudo e, apesar de tudo, obrigada, Deus ,
por eu ser agora um alguém tão
frágil e tão forte ao mesmo tempo.

Obrigada Deus por permitir-me ser Mãe!



Silvia Schmidt
Tradução de "Before I Was Mother"
de Patricia Vaughan

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Amor é...

"...Como mercúrio na mão: deixe a mão aberta e ele permanecerá; agarre-o firme e ele escapará".
(Dorothy Parker, escritora)

domingo, 24 de abril de 2011

O que começou como "brincadeira"....

Completei 2 anos de blogueira! Mamma mia, como o tempo "avoa"...
Fiz um pequeno balanço, e fiquei agradecida:
Aprendi demais, viajei bastante, li ótimos livros, escutei deliciosas músicas, trabalhei o suficiente, preservei e conquistei novos amigos(tanto no mundo real como no virtual), e minha família me deu muitas alegrias, culminando com o presentão de Deus, meu neto!
Comento com o maridão que fico às vezes até sem graça com tantas bênçãos que Ele nos envia...Obrigada, Meu Deus, muito obrigada!

sábado, 16 de abril de 2011

Arrivederci Facebook!

Não me identifiquei com esse modelo de "show do eu"!
E tenho como premissa não insistir demais com o que não me identifico. Fiquei um tempinho, pensei que fosse curtir, mas não aconteceu; achei "perda de tempo", e eu gosto de "gastar meu tempo" sem "perdê-lo", e sim "vivendo-o" com prazer, e o Facebook, prá ser sincera, não me acrescentou nadica.
Continuo com o blog, também com menor frequencia, mas o percebo mais intimista, menos invasivo, mais gostosinho...

sábado, 9 de abril de 2011

"Curar uma dor sem remédio..."

Willian Vasconcelos, médico voluntário que apoiava os familiares da tragédia no cemitério, disse que o que eles mais precisavam era curar "uma dor sem remédio".
Uma dor que se tornou nacional.
Uma dor que veio para ficar, que não sei se vai passar.
Eu havia escrito um texto longo, refletido, mas ao corrigir uma palavra, o texto se foi, inteiro. Fiquei chateada, claro, e no mesmo momento pensei nas mães daqueles jovens que perderam o contexto da vida...

domingo, 27 de março de 2011

159 Anos

                                                      Minha cidade comemorou  seu aniverário de fundação dia 19 de Março.
Fui recebida por ela quando completava 40 dias. Meu pai havia sido transferido de Jundiaí para cá, e minha mãe aguardou meu nascimento para virmos em definitivo.
A viagem era custosa, a estrada muito ruim, a preferência era por trem (tenho deliciosa memória sobre as viagens que fizemos), e às vezes íamos com o caminhão do Exército, que eu achava o máximo também, pois quando passávamos pelo pedágio (que já existia!), o meu pai, ao lado do motorista (Noé) dizia todo imponente: "Ministério da Guerra!", e entre continências seguíamos a viagem, que demorava  10 horas ou mais (Hoje fazemos a viagem p/ Sampa "por terra" em 5 horas, numa estrada excelente, e de avião, 50 min!).
"Ficava" longe demais  da capital (450Km), "era quase sertão" segundo nossos parentes, que eram vizinhos de Saõ Paulo. Minha mãe conta que sofreu muito, pois tinha 10 irmãos, quase todos já casados e com filhos, e nenhum  se afastou mais de 20 Km de onde nasceram: Jarinú, uma pequena cidade, distrito de Jundiaí, onde eu nascí. Mas a família vinha muito pouco para cá, nós é que íamos sempre.  Ficamos mesmo, porque meu pai, militar, foi convocado para trabalhar (servir) na CER 2, para "construir estradas" : a BR 153, e não existia  plano B, não havia possibilidade de voltar ou de nova mudança.
                       Saõ José do Rio Preto é uma cidade bonita, próspera, quente prá dedéu,  mas que eu adoro!
Segundo o Censo de 2010, tem 408.000 habitantes. O PIB per cápita é estimado em R$15 mil, superior à média nacional. O IFDM é de 0,9182, inferior apenas ao de São Caetano do Sul.
 É um centro multieconômico, produz para o mercado interno e p/ exportação alimentos, móveis, lingeries, jóias, peças de motores, equipamentos para cirurgias cardíacas. Cidade de vocação múltipla, importante centro médico-hospitalar. Possui 3 distritos industriais e mais de uma dezena de mini distritos; são 15 mil estabelecimentos comerciais e a população economicamente ativa é de aproximadam/ 230 000. E etc, etc, etc.
Obrigada Rio Preto! Muito obrigada por tanto  acolhimento, e Parabéns pela prosperidade!
(Essa  "riopretense da gema" não tem 100 anos não, só passou um pouco da metade disso...)


quarta-feira, 23 de março de 2011

MARIA BETHANIA " SONHO IMPOSSÍVEL "

Texto forte, imagens fortes.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Pedro: presentão de Deus!

Deus nos oferece presentes todos os dias, e de vez em quando nos manda um presentaço!
Na minha vida, Ele se faz presente interruptamente, me envolve e me encanta,e me deixa até sem graça algumas vezes!
Fui agraciada com pais maravilhosos!
Ganhei meu grande amor, ainda bem "menina", e tenho a felicidade de viver a minha história de amor com ele...Bom demais!
Tive meus três presentes maiores, que são meus amados filhos, pelos quais sou infinitamente grata!
E sempre vou recebendo no dia-a-dia mais e mais presentes ...até que de repente, Ele oferece um outro presentão: a oportunidade de ser vovó! É uma dádiva maior, uma alegria que transborda, que esparrama, que nem sei...
Amanhã o netinho Pedro completa o primeiro ano. Que posso pedir além de saúde para poder curtí-lo?
Agradeço, meu bom Deus, por todo esse carinho, e te peço (mais uma vez) muitas bênçãos para o Pedro, e que ele possa crescer segurando firme na Sua poderosa mão!
E mais uma vez obrigada, muito obrigada!

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Livros, Filmes, Músicas, Revistas, Jornais!

Estou feliz comigo: voltei aos meus hábitos deliciosos e tenho ficado menos tempo no "espaço virtual".
Livros em ebulição, revistas e jornais me fazendo (quase) voltar a me incomodar (muito) com a política, a  música me envolvendo e filmes em profusão!!!
Não discuto que gosto  das novidades, mas nada se compara  a emoção que a leitura provoca!
 Tiririca indicado para a Comissão de Educação e Cultura da Câmara???
 José Genuíno indicado pelo PT para uma vaga no Tibunal de Contas da União??? E o governador de Pernambuco requer o mesmo posto para sua mãe????
Parece ficção? Desculpem-me, é real.
Divido essa maravilha para compensar a indignação :

Caso de Amor

Uma estrada é deserta por dois motivos: por abandono ou por desprezo. Esta que eu ando nela agora é por abandono. Chega que os espinheiros a estão abafando pelas margens. Esta estrada melhora muito de eu ir andando sozinho nela.
Eu ando por aqui desde pequeno. E sinto que ela bota sentido em mim. Eu acho que ela manja que eu fui para a escola e estou voltando agora para revê-la. Ela não tem indifereñça pelo meu passado. Eu sinto mesmo que ela me reconhece agora, tantos anos depois. Eu sinto que ela melhora de eu ir sozinho sobre seu corpo. De minha parte eu achei ela bem acabadinha.Sobre suas pedras agora raramente um cavalo passeia. E quando vem um, ela o segura com carinho.
Eu sinto mesmo hoje que a estrada é carente de pessoas e de bichos. Emas passavam sempre por ela esvoaçantes. Bando de caititus a atravessavam para ver o rio do outro lado.
Eu estou imaginando que a estrada pensa que eu também sou como ela: uma coisa bem esquecida. Pode ser. Nem cachorro passa mais por nós. Mas eu ensino para ela como se deve comportar na solidão. Eu falo: deixe deixe meu amor, tudo vai acabar. Numa boa: a gente vai desaparecendo igual quando Carlitos vai desaparecendo no fim de uma estrada… Deixe, deixe, meu amor.
Manoel de Barros

sábado, 12 de fevereiro de 2011

E o tempo passou...

Pronto. Dois anos se passaram e "os holandeses já não os são mais"!
A ida foi sonhada e realizada; a volta foi  desejada e cumprida; a vida  foi somada: foram dois e voltaram três.
Hoje, a felicidade. Ontem, também.
Hoje faço 34 anos de casada! Penso que não, parece que foi ontem que vi meu benzo numa "brincadeira dançante"...rolou primeiro o olhar, depois a dança... e o tempo passou...passou...passou...
"Roda mundo, roda-gigante
Rodamoinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração." 
                       Chico Buarque

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Apesar de você...

" Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
...Você vai ter que ver
A manhã renascer
E esbanjar poesia
Como vai explicar
Vendo o céu clarear
De repente, impunemente..."

Durante a caminhada de hoje, recebendo  aquela energia deliciosa do amanhecer, essa canção bateu na minha memória, e foi recebida com aplausos! Eu não segurei a onda, e chorei...de alegria, de emoção, de nostalgia...
Recordei a luta que travei com meu pai para comprar esse disco do Chico,"sujeito" que ele dizia não gostar, pois como militar, tinha que manter o brio e chamá-lo de "sujeito subversivo"; essa palavra  me assustou prá caramba, mas eu me recusei a  procurá-la no Dicionário, com medo de perder o encanto por Chico!
Dois dias depois da "nossa luta", já com o seu jeito bonachão, me encontrou colocando um Beatles na vitrola, passou a mão na minha cabeça, e sorrindo disse: "Tá bom, Soninha, vai lá comprar seu disco!" E eu, na maior felicidade: "É aquele do "subversivo", pai, tudo bem?" E ele: " Mas é um subversivo instigante"... e deu a gostosa gargalhada costumeira! Aí sim, fui correndo consultar o Aurélio, e percebi, aliviada, que tinha mais um motivo para gostar do Chico.
Pensei ainda naqueles que até hoje pensam  que sem eles "a manhã não vai renascer e esbanjar poesia", e que  meu pai saiu de cena entendendo que "o céu clareia de repente, impunemente, e que o dia vai raiar sem nem pedir licença..."
Água nova brotando
e a gente se amando,
sem parar...
Apesar de você!"

sábado, 22 de janeiro de 2011

Fernando Sabino

Se eu compreendesse e aceitasse a vida como ela realmente é, quem sabe, um dia, concluiria que:

 De tudo ficaram três coisas:
a certeza de que estamos sempre começando...
a certeza de que é preciso continuar...
a certeza de que seremos interrompidos antes de terminar...

Façamos da interrupção um caminho novo...
Da queda, um passo de dança...
Do medo, uma escada...
Do sonho, uma ponte...
Da procura, um encontro.
         Fernando Sabino

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Criar tempo!

'tempos' que penso muito no tempo.
Afinal, o que é o tempo? 
 Não sei definir, mas também parece que "nunca dá tempo" (até para definí-lo preciso de tempo)! Ouço muito  essa frase, de (quase) todos que conheço.
Eu, particularmente, gostaria de aumentar meu tempo, criar mais tempo;  mas, tempo do quê? Para fazer mais o quê?
 Na verdade, minha  prioridade seria fazer crescer o meu tempo dedicado à leitura!
E me pergunto, às vezes : PQP, por que será que eu gosto tanto de ler? Será fuga? Será TOC? Será neura? Será puro deleite? (...Escolho a última opção...)
Tenho uma fila de livros já comprados, compro mais ainda, e fico querendo ler todos ao mesmo tempo. Estou lendo no momento  Ágape, do Pe. Marcelo Rossi, e A Psicanálise dos Milagres de Cristo, de Daniel Duigou (padre, jornalista, psicólogo clínico, além de crítico, que não receia expor sua opinião sobre a sociedade e a Igreja).   .
Está sendo mágico, pois estou bem espiritualizada nesse início de ano. Os dois livros se apóiam no Evangelho de São João, O de Duigou  é mais reflexivo, pois traz também sua visão psicanalítica. Muito, muito interessante. Uma frase do livro: "João não se dirige a um leitor passivo, e sim, suscita a imaginação desse leitor e, portanto, a liberdade."
Voltando à história do  tempo, li no Equilíbrio, da Folha, que a monja budista Coen, disse que "se vc estiver presente no que está fazendo, tem tempo. Se a mente estiver voltada para outras coisas, não.  Não dá para brigar com o tempo, porque ele não é algo separado de nós, que está nos escapando. Nós somos tempo,ele é nossa vida. O que importa é o que fazemos com ela." Beleza.
Mas, e a pressa do  mundo? As pessoas querem existir na velocidade da tecnologia, mas os ritmos do corpo continuam os mesmos: precisamos das mesmas horas para dormir, para fazer a digestão, e dos 9 meses para um bebê nascer.
O tempo fisiológico não consegue acompanhar o tempo tecnológico.
 Aí entra outro pormenor dentro na esfera do tempo: a tal da escolha;  escolho uma coisa para fazer, e deixo dez para trás, pela falta de tempo. Se escolho errado, paciência, diz a monja: "não é para se lamentar, isso seria perda de tempo. Quem sempre acha que entrou na fila errada e fica mudando para a outra não chega a lugar nenhum.''
No final do" frigir dos ovos", o negócio mesmo é continuar planejando  e organizando a vida, talvez sobre mais tempo. "Salve a ordem que a ordem o salvará" já disse Frei I. Larrangaca.
Vou parar por aqui, assim sobra  um tempo para ler mais um pouco antes do último capítulo da Passione...

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Bom Dia 2011!

Uau!!! Que delícia de Natal, final e início de Ano!
Além da presença do querido menino Pedro, tivemos a convivência dos nossos 32 membros da família reunidos em um local gostoso, onde o Sol imperou radiante, e a presença de Deus foi sentida por todos!
Momentos de paz, harmonia, prosa, descanso, música, dança, comilança, bebelança etc e tal!
Agora o 2011 pode vir com todos os seus sonhos e desejos, vir chegando devagarinho ou correndo, não me importa...estou abastecida de uma única coisa, mas que sem ela a vida não vale a pena, que é o AMOR!
Amor que nunca é demais, que sempre transborda e transforma cada dia em um milagre, e cada vez mais eu quero viver um dia de cada vez, diminuir os atropelos, acalmar a minha alma, poder ser boa o suficiente, não exigir nada demais de ninguém, respeitar e aceitar o que Ele enviar, e fazer aquilo que me for possível...
Ler continua sendo meu relax número 1, mas pretendo acrescentar pitadas de piano nestes momentos exclusivos, apenas meus!
O estudo e o trabalho estão  me esperando, com suas anteninhas ligadas, e estou iniciando com vontade; as viagens (ah, as viagens, como foram boas!!!) estão na lista dos desejos, claro, juntamente com eliminar quilos, malhar muito, cuidar da saúde, passear, reunir mais... e menos, muito menos momentos virtuais...estes vão ter hora marcada, ou melhor, meia hora das minhas 24 diárias...é a única coisa que estou prometendo neste exato momento...e espero conseguir cumprir!!!!

Livros, meu relax n. 1:2016,2015,2014,2013, 2012, 2011, 2010 , 2009

  • Vivências de um psicanalista
  • Um sentido para a vida
  • Sobre a amizade e outros diálogos
  • Segredos e atalhos do iPad - 2011
  • Quase tudo
  • Putz, virei minha mãe!
  • Purgatório
  • Psicanálise dos Milagres de Cristo - 2011
  • Poemas completos de Alberto Caieiro
  • Pense Magro
  • Pensar é transgredir
  • Os catadores de conchas
  • O show do eu
  • O mundo pós-aniversário
  • O monge e o executivo
  • O menino do pijama listrado
  • O livro das ignorãças
  • O livro da sabedoria
  • O estrangeiro
  • O caçador de pipas
  • O brincar e a realidade
  • No divã do Gikovate
  • Niketche - 2011
  • Nietzsche para estressados - 2011
  • Na presença do sentido
  • Millenium
  • Mentes Perigosas
  • Memórias das minhas putas tristes
  • Me larga!
  • Marley e eu
  • Mamãe, posso namorar pelado?
  • Mamãe e o sentido da vida - 2011
  • Longe daqui
  • Leite derramado
  • Ilha Deserta - Livros
  • Ilha Deserta - Filmes
  • Histórias das minhas putas tristes
  • Hamlet
  • Freud - Vol.XIV - 2011
  • Freud - Vol. XXIII
  • Freud - Vol. XXII - 2011
  • Freud - Vol. XXI
  • Freud - Vol. XVIII - 2011
  • Freud - Vol. XVII
  • Freud - Vol. XIX - 2011
  • Freud - Vol. XII
  • Freud - Vol. XI
  • Freud - Vol. VII
  • Freud - Vol. V - 2012
  • Freud - Vol. IX
  • Fora de mim - 2011
  • Família de alta perfomance
  • Fadas no divã, Diana L. Corso e Mario Corso
  • Fadas no divã
  • Eu sei que vou te amar
  • Enquanto o amor não vem
  • Doidas e santas
  • Divã
  • De frente para o Sol - 2011
  • Crime e castigo
  • Conversas sobre terapia
  • Contra um mundo melhor -2011
  • Comer,rezar,amar
  • Cartas a um jovem poeta
  • Caim
  • As pequenas memórias
  • As intermitências da morte
  • Amor é prosa, sexo é poesia
  • Alter Ego
  • Agape - 2011
  • Aforismos - 2011
  • A trama do equilibrio psiquico
  • A sabedoria dos mitos gregos - Aprender a Viver II - 2011
  • A sabedoria da vida
  • A idade dos milagres
  • A história de Edgard Sawtelle
  • A doçura do mundo - 2011
  • A cidade do sol
  • A Cabana
  • 2016-Verdades e Mentiras, Cortella, Dimenstein, Karnal e Pondé
  • 2016-Pressentimentos e suspeitas, Ivo Storniolo
  • 2016-O poder do discurso materno, Laura Gutman
  • 2016-O oitavo selo, Heloisa Seixas
  • 2016-O ano do pensamento mágico, Joan Didion
  • 2016-Mulheres de cinza, Mia Couto
  • 2016-Freud, obras completas, vol. 18
  • 2016-Felicidade ou Morte, Clovis de Barros Filho e Karnal
  • 2016-Enclausurado, Mc Ewan
  • 2016-Dias de abandono, Elena Ferrante
  • 2016-Depois a louca sou eu, Tati Bernardes
  • 2016-Como eu era antes de você, Jojo Moyes
  • 2016-Ah, que bom que eu sei, Brugitte Gross e Jakob Scheneider
  • 2016-A Peste, Albert Camus
  • 2016-A noite do meu bem, Ruy Castro
  • 2016-A felicidade é fácil , Edney Silvestre, Segunda Leitura
  • 2016-A árvore familiar, Denny Johnson
  • 2016-A alma imoral, Nilton Bonder
  • 2016- O livro dos insultos, H.L. Mencken
  • 2015-Tomar a vida nas próprias mãos , Gudrun Burkhard
  • 2015-Pimentas, Rubem Alves
  • 2015-Pequeno tratado das grandes virtudes - André Comte-Sponville
  • 2015-Pai rico pai pobre - Robert T. Kiyosaki
  • 2015-Os amigos, Hamlet L. Quintana
  • 2015-Onde foi que eu acertei? Francisco Daudt
  • 2015-O sol é para todos", Harper Lee
  • 2015-O que a vida me ensinou, Mario Cortella
  • 2015-O incolor Takurukami..., Haruki Murakami
  • 2015-O brilho do bronze, Boris Fausto
  • 2015-Numero Zero, Umberto Eco
  • 2015-Na berma de nenhuma estrada, Mia Couto
  • 2015-Interpretação e manejo na Clínica Wiicottiana, Ela O. Dias
  • 2015-Dom Quixote, Miguel de Cervantes
  • 2015-Diga aos lobos que estou em casa, Carol R. Brunt
  • 2015-Criaturas de um dia, Irvin Yalom
  • 2015-Como envelhecer, Anne Karpf
  • 2015-As pequenas virtudes, Natalia Ginzburg
  • 2015-A visita cruel do tempo, Jennifer Egan
  • 2015-A mágica da arrumação , Marie Kondo
  • 2015-A grande arrete de ser feliz, Rubem Alves
  • 2015-A filosofia de Rudolf Steiner e a crise dompensamento contemporâneo, Andrew Welburn
  • 2015- Pensar bem nos faz bem, M. S. Cortella
  • 2015- Nao nascemos prontos, M. S. Cortella
  • 2014-Uns cheios, outros em vão, Heloísa Seixas
  • 2014-Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra, Mia Couto
  • 2014-Totem e Tabu, S. Freud
  • 2014-Textos de Winnicott
  • 2014-Textos de Pichon Riviere
  • 2014-Textos de Grupos, uma visáo psicanalítica
  • 2014-Textos de Bion
  • 2014-O segredo do meu marido, L . Moriestay
  • 2014-O retrato de Dorian Gray, Oscar Wilde
  • 2014-O nome próprio, Francisco Martins
  • 2014-O fotógrafo, Cristóvão Tezza
  • 2014-Fim, Fernanda Torres
  • 2014-Ensaio sobre a mentira, José Outeiral
  • 2014-Do universo à jabuticaba, Rubem Alves
  • 2014-Conhece-te a ti mesmo, José Outeiral
  • 2014-Adultescer, J. Outeiral
  • 2014-A revolta do corpo, Alice Miller
  • 2014-A festa da insignificância, Milan Kundera
  • 2014-A Ciranda das Mulheres Sábias, Clarissa P. Estés
  • 2014-1Q84, Vol. IIIHaruki Murakami
  • 2013 - Voce já pensou em escrever um livro?
  • 2013 - Subliminar
  • 2013 - Sr. Psicólogo, diga-me como ser feliz
  • 2013 - Por que você é minha - I
  • 2013 - Por que você é minha - II
  • 2013 - Por favor, cuide da mamãe
  • 2013 - Os quatro vínculos
  • 2013 - O Rabino e o Psicanalista
  • 2013 - O psicanalista vai ao cinema
  • 2013 - O oceano no fim do caminho
  • 2013 - O fio das missangas
  • 2013 - Nu, de botas.
  • 2013 - Inferno
  • 2013 - Filosofando no Cinema
  • 2013 - Elogio da mentira
  • 2013 - A vida que vale a pena ser vivida
  • 2013 - A graça da coisa
  • 2013 - A arte de amar
  • 2013 - 1Q84 Vol. II
  • 2013 - 1Q84
  • 2012 - Se eu fechar meus olhos agora
  • 2012 - Rimas de Vida e de Morte
  • 2012 - Profissão: Bebê
  • 2012 - Os sentidos da vida
  • 2012 - O retorno do jovem príncipe
  • 2012 - O clube do filme
  • 2012 - O amor companheiro
  • 2012 - Mulher Desiludida
  • 2012 - Fragmentos Clínicos de Psicanálise
  • 2012 - Feliz por nada
  • 2012 - É tudo tão simples
  • 2012 - Depressão:dos sintomas ao tratamento
  • 2012 - Como manter a mente sã
  • 2012 - Como deixar de ser gordo
  • 2012 - Como amar uma criança
  • 2012 - A queda
  • 2012 - A poesia do encontro
  • 2012 - A felicidade é fácil
  • 2012 - A elegância do ouriço
  • 2012 - A criação, segundo Freud